"Os nosso governantes estão contentinhos porque o povinho está contentinho", critica o economista João César das Neves. Enquanto assim for, Portugal estará bloqueado. "Na saúde continuamos a discutir os médicos em vez de estar a olhar para o código genético ou para o desenvolvimento de novos medicamentos, continuamos a discutir os direitos dos professores em vez das novas tecnologias, continuamos a discutir os bancos em vez das fintech".

Mas o país "fica contentíssimo com os bombons que o senhor primeiro-ministro está a tirar do orçamento como se fossem benesses extraordinárias que vêm do bolso dele", acusa. "Somos todos socialistas" e, da esquerda à direita, "todos os partidos estão lá para tomar conta do Estado e aproveitarem-se do Estado".

Até ao dia das eleições, o podcast “O sapo e o escorpião” terá uma edição especial Legislativas2022, trazendo para o debate político os temas que marcam a atualidade de campanha, como o Serviço Nacional de Saúde, e discussões de fundo, como a reforma do sistema eleitoral, o voto obrigatório, o número de deputados ou o papel da Europa.

Na noite de todas as decisões, faz-se a análise dos resultados, ao vivo e em direto. No dia seguinte, 31 de janeiro, discute-se o futuro do país já com os votos contados.

São conversas que fazem a diferença, para ouvir no SAPO24, no Spotify e outras plataformas habituais de podcasts.

O "gigantismo" do orçamento, "a quantidade de dinheiro que gastamos" e o "magro resultado" que obtemos são a prova disso, diz professor da Católica. Agora, o PRR só virá reforçar isso ainda mais. "Sem qualquer vergonha, está escrito nos papéis que o que vamos fazer é alimentar os lobbies do costume, da construção, da banca..." César das Neves não acredita que o plano que apresentámos em Bruxelas seja para cumprir. "Quando o dinheiro vier, logo se vê".

O cúmulo foi o "ridículo de convidar uma pessoa e pedir a esse cérebro para planear o futuro do país a dez anos. E ninguém se riu. Temos um governo com uma data de ministérios, uma data de secretarias, uma data de especialistas, mas decidimos esquecer isto tudo", lembra.

Uma conversa sobre o Orçamento do Estado para 2022, os salários, o perigo da inflação e, mais do que isso, da subida das taxas de juro para um país tão endividado como Portugal. E a quase certeza de que aí vem novo "aperto" orçamental.

"Estamos metidos num conjunto de imbróglios que são repetidos até à exaustão pelas forças do costume e que conseguem votos permanentemente. Enquanto as pessoas continuarem a acreditar nas aldrabices que lhes dizem, o país não melhora", repete João César das Neves.

Quanto a surpresas, só o Chega, que está a alterar o xadrez à direita, poderá ser um problema - "mas não é a Marine Le Pen, são aselhas. O Ventura é um trapalhão". E pode ser o sapo a engolir. "Tirando isso vai ficar tudo muito parecido e o principal beneficiado talvez seja o Partidos Socialista", admite o economista.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.