“O processo não foi muito transparente”, disse Juncker numa conferência de imprensa em Helsínquia, depois de questionado sobre a forma como os chefes de Estado e de Governo dos 28 fizeram as escolhas.

Ao fim de três dias de negociações, os líderes europeus anunciaram na terça-feira a escolha de Von der Leyen para a Comissão Europeia, assim como de Charles Michel para presidente do Conselho Europeu, Josep Borrel para Alto Representante para a Política Externa e Christine Lagarde para presidente do Banco Central Europeu.

A escolha de Von der Leyen foi feita ignorando o processo dos chamados ‘Spitzenkandidaten’, lançado há cinco anos e segundo o qual o presidente da Comissão Europeia é escolhido entre os candidatos apresentados pelas principais famílias políticas europeias.

Em 2014, Jean-Claude Juncker era o candidato principal da maior família política, o Partido Popular Europeu (PPE, centro-direita).

“Sempre tive a impressão de que ia ficar na História, mas não assim. Sou um tipo muito especial, fui o primeiro e o último” ‘spitzenkandidat’, disse Juncker.

A nomeação de Ursula von der Leyer tem ainda de ser aprovada pelo Parlamento Europeu (PE).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.