De acordo com a TSF, o juiz Carlos Alexandre levantou hoje a medida de prisão domiciliária aplicada ao ex-presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira. Desta forma, o ex-líder encarnado fica em liberdade. Encontrava-se em prisão domiciliária desde 10 de julho.

O pagamento da caução foi feito através da constituição de uma hipoteca de imóveis e do depósito de 200 mil euros.

Em concreto, estão em causa dois imóveis avaliados em 2,8 milhões de euros, da sociedade Royal Brick, que é detida pelos dois filhos de Vieira. O montante restante em falta foi colmatado em dinheiro.

No final de julho, a defesa do ex-presidente do Benfica entregou um requerimento de prestação da caução de três milhões de euros, assente em ações da SAD benfiquista e num imóvel, situado em Sesimbra. No entanto, o Juiz Carlos Alexandre rejeitou porque considerou que não davam garantias suficientes.

No processo Cartão Vermelho, Luis Filipe Vieira, além da prisão domiciliária, que agora deixa de ter de cumprir, tem como medidas de coação a proibição de sair do país, com a entrega do passaporte, e de contactar com os outros arguidos do processo — o empresário José António dos Santos e o advogado e agente Bruno Macedo, sendo a exceção o seu filho Tiago Vieira e de vários elementos ligados ao Novo Banco.

O ex-líder encarnado foi um dos quatro detidos no início de julho numa investigação que envolve negócios e financiamentos superiores a 100 milhões de euros, com prejuízos para o Estado, SAD do Benfica e Novo Banco e está indiciado por abuso de confiança, burla qualificada, falsificação de documentos, branqueamento de capitais, fraude fiscal e abuso de informação.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.