Prevê-se que mais 215 milhões de pessoas fiquem em situação de pobreza nos próximos meses (ou seja, 35% da população) e esse é “um facto escandaloso que faz barulho na consciência da Igreja”, dizem os bispos. “Exigimos que as políticas públicas tenham sempre em mente, antes de tudo, os homens e as mulheres da nossa terra e principalmente os mais pobres. Nós o reivindicamos em nome de Deus!”.

Na cooperação inter-regional deveria incluir-se o povo e a comunidade científica, diz o texto, de modo a construir soluções conjuntas para ultrapassar as dificuldades actuais e futuras, no que diz respeito aos mais importantes desafios que o continente terá pela frente.

A carta, cujos textos integral ou resumido podem ser lidos na página digital do CELAM, começa por recordar que mais de 200 mil pessoas morreram já na América Latina e nas Caraíbas, vítimas de covid, enquanto se registam mais de cinco milhões de infectados.

A outra vacina necessária

Para lá da doença e da pobreza que atingem sobretudo os mais vulneráveis, os responsáveis católicos continentais estão também preocupados com “a violência e o medo que ameaçam a liberdade de todos os povos”. O que os leva a citar as palavras do Papa, na recente audiência de 19 de Agosto: “É fundamental encontrar a cura para um pequeno mas terrível vírus que põe a todos de joelhos”, mas também “temos de curar um grande vírus, o da injustiça social, da desigualdade de oportunidades, da marginalização e da falta de protecção dos mais fracos .

O documento alerta ainda para a importância de comprovar que as vacinas que estão a ser preparadas são “seguras e testadas eticamente” e que cumprem a “advertência médica tradicional do primum non nocere”, ou seja, que o primeiro objectivo deve ser não fazer mal.

No âmbito do continente, os bispos esperam que se concretize mais cooperação científica, com centros de pesquisa, laboratórios e produção de medicamentos conjuntos, para que se possa também enfrentar as “chamadas doenças invisível, resultado do défice e de condições socioeconómicas injustas, que causam mais mortes do que a covid-19”.

A crise pandémica revelou as deficiências das estruturas sociais que fazem aumentar a pobreza, dizem os bispos. Por isso é urgente que os economistas e cientistas procurem uma nova “vacina” também contra essas doenças estruturais e contra o “pecado ecológico” que afectam a região e que devem ser superadas em conjunto.

Os bispos reafirmam ainda o compromisso da Igreja com a reconstrução do tecido social latino-americano e caribenho e com uma particular dedicação à defesa e ao cuidado da vida, especialmente dos mais vulneráveis ​​e excluídos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.

Um artigo do parceiro

7MARGENS é um jornal digital orientado por critérios jornalísticos profissionais e independentes de qualquer instituição, que privilegia informação sobre o fenómeno religioso, no sentido mais amplo do termo. Procura dar conta das diferentes buscas espirituais que marcam o nosso tempo, com os horizontes da paz, da justiça social, do conhecimento mútuo, da tolerância e da cooperação entre os mais diversos atores das nossas sociedades.