Segundo o ‘Jornal de Notícias’, no primeiro semestre de 2021, mais de metade das consultas médicas em cuidados de saúde primários foram feitas à distância. Os números do ministério da Saúde, consultados pelo diário, revelam que, do total de 18.275.056 consultas realizadas até junho deste ano, 10.799.165 foram feitas à distância, seja por telefone, email ou videochamada.

Graças a estes 59% de consultas não presenciais, foi possível retomar a atividade nos cuidados primários. Mas os médicos alertam que a saúde à distância deve ser um complemento e não uma alternativa às consultas com os doentes dentro dos centros de saúde.

Mas, por enquanto, mesmo que quisessem, os médicos continuam com a agenda cheia de tarefas relacionadas com o controlo da covid-19: "Quando já é possível recuperar alguma da atividade assistencial, continuamos a fazer vigilância telefónica dos casos suspeitos e positivos e estamos na vacinação", explica a JN Nuno Jacinto, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF).

Paulo Santos, presidente do Colégio de Especialidade de Medicina Geral e Familiar da Ordem dos Médicos, alerta que para as consultas à distância funcionarem, é ainda preciso reforçar e melhorar os meios: ainda há “dificuldades enormes" na comunicação dos utentes com os centros de saúde, perante os "200 ou 300 emails" à segunda-feira a que as unidades têm de dar resposta.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.