O chefe de Estado falava numa cerimónia de receção à comunidade portuguesa, num hotel do Mindelo, onde na terça-feira terminaram as comemorações do Dia Portugal, iniciadas em Portalegre, perante o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, e o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

“Aqui tive a oferta de um autarca de outros tempos da oportunidade de vir a ter teoricamente uma casa situada em domínio público marítimo, em condições idílicas, mas que a minha intuição me disse que não deveria aceitar em termos de doação”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que tomou a opção certa: “Foi correto. Porventura não teria chegado a Presidente da República”.

“Teria tido o prazer de agradar a cabo-verdianos, mas não teria tido realmente aquela preocupação de isenção levada ao extremo, mas que a prazo de umas décadas acabou por se verificar que tinha sido sensata”, acrescentou.

No final da sua intervenção, o Presidente da República condecorou o escritor cabo-verdiano Germano Almeida e o ator e encenador português João Branco.

Germano Almeida, autor de “A Ilha Fantástica”, “Os Dois Irmãos” e “O Testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo”, entre outras obras, vencedor do Prémio Camões 2018, recebeu o grau de comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

João Branco, que chegou em 1992 a Cabo Verde, onde fundou o Grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo, do qual é diretor desde 2014, recebeu o grau de comendador da Ordem do Mérito.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.