"É verdade, os portugueses foram enganados. Já reconheci isso", declarou o chefe de Estado em entrevista esta noite à TVI.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que não houve vacinas da gripe para todos, tendo reconhecido que o que disse "foi baseado no que era a convicção da ministra" da Saúde, Marta Temido. "Ela própria também não esperava aquele movimento que existiu", reforçou.

Assim, para evitar que se volte a verificar nova falha de comunicação na altura de se iniciar o período de vacinação contra a covid-19, o Presidente da República esclareceu que desta vez era necessário "não elevar as expectativas dos portugueses".

"Não tenho dúvidas de que o plano [de vacinação] está lá, que há 1.200 centros de saúde, que está tudo preparado na hora atuar. Mas há um momento, por exemplo, em que vai haver quem esteja a tomar a segunda toma e outros ao mesmo tempo a tomar a primeira toma", enfatizou, esclarecendo que esta situação significa "o dobro das pessoas".

Marcelo deu conta de que falou com os produtores das duas vacinas (da Pfizer e da Moderna) de modo a ficar informado sobre as quantidades e condições das vacinas que chegarão a Portugal.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.