“O perigo de contágios massivos seria real. Se tivermos azar podemos ter um supercontagiador entre os espetadores e o vírus se espalhar como um incêndio”, disse a presidente do sindicato, Sussane Johna, em declarações ao Neuen Osnabrücker Zeitung.

Sussane Johna também expressou o seu ceticismo em relação ao plano da Liga Alemã de Futebol (DFL) de permitir o retorno limitado do público aos estádios, que deve ser discutido esta segunda-feira pelos ministros da Saúde dos estados federados.

“O aspeto traiçoeiro do coronavírus é que alguém pode se sentir perfeitamente bem e estar infetado. No meio de comemorações, gritos e manifestações de alegria, as infeções podem multiplicar-se muito rapidamente”, disse a presidente da Liga Marburg.

A DFL sugeriu um plano que inclui a abolição da venda de bebidas alcoólicas nos estádios, a eliminação das arquibancadas para os espectadores e a quota de ingressos para os clubes visitantes, além da redução da lotação.

“Os esforços do DFL são compreensíveis. Mas não é realista pensar que essas medidas sirvam para prevenir o contágio. Não consigo imaginar que, quando a sua equipa marcar um golo, os espectadores vão permanecer sentados nos seus lugares. O que eles irão fazer é levantar-se e abraçarem-se, o que é perfeitamente humano”, referiu Sussane Johna.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 727 mil mortos e infetou mais de 19,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.