O primeiro protesto, contra o antissemitismo, juntou cerca de 3.200 pessoas, em Berlim. Na rede social X, o chanceler alemão Olaf Scholz falou em “levantar a voz contra o antissemitismo, o racismo, o ódio e a incitação”.

Os manifestantes deslocaram-se desde o parque Tiergarten até ao Portão de Brandemburgo, muitos deles com bandeiras de Israel.

“Os judeus têm medo e sentem-se abandonados. Este sentimento não é apenas produto do ódio, mas também do silêncio e da indiferença”, defendeu a presidente da câmara baixa do parlamento, Bärbel Bas, que também participou na manifestação.

No Centro de Berlim decorreu também uma marcha sob o lema “Solidariedade com a Palestina, sem armas para o genocídio”, que juntou cerca de 2.500 pessoas.

Os manifestantes, muitos deles com bandeiras e lenços palestinianos, pediram o fim do apoio alemão à ofensiva israelita.

Também hoje, uma manifestação contra o antissemitismo juntou perto de 4.000 pessoas em Bruxelas, segundo dados da Polícia belga.

A manifestação passou por locais como o Museu Judaico ou a Grande Sinagoga de Bruxelas.

Os manifestantes carregavam bandeiras belgas e cartazes, nos quais se podiam ler frases de ordem como “Não é preciso ser judeu para lutar contra o antissemitismo” e “Alegria judaica é resistência”.

O ministro da Justiça belga, Paul Van Tigchelt, garantiu hoje que os atos de antissemitismo serão combatidos em todas as frentes.

“Os manifestantes têm razão em chamar à atenção para esta questão. Não podemos aceitar que os nossos concidadãos tenham medo de sair de casa”, referiu, citado pela agência EFE.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.