“Estamos conscientes de que a crise económica mundial, causada, entre outras coisas, pelo [novo] coronavírus, se manifestará e devemos estar preparados”, disse à televisão pública o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov.

Peskov sublinhou que esta crise exigirá “coordenação” de políticas e medidas anticrise envolvendo “muitos países” e apontou que a medida anunciada pelo presidente russo, Vladimir Putin, de prolongar as férias pagas até ao final do mês, com vista a conter a pandemia, representa um “grande fardo” para a economia nacional.

Outro aspeto referido por Peskov no que diz respeito à crise económica que diz adivinhar-se, é a queda dos preços do petróleo causada por uma guerra de preços desencadeada pela Arábia Saudita.

“Os nossos parceiros na Arábia Saudita decidiram fazer cortes sem precedentes, o que levou a um aumento também sem precedentes na extração”, disse o porta-voz da presidência russa.

Dmitri Peskov alertou que “em breve todos os depósitos de petróleo do mundo estarão cheios até a borda”, recordando que atualmente os petroleiros já não se usam para transportar petróleo bruto, mas sim bidons flutuantes.

“Isto resultará num preço absolutamente mínimo para o petróleo, o que não é lucrativo para nenhum país”, acrescentou.

Peskov recordou que a Rússia nunca defendeu o fim do acordo no âmbito da OPEP+ e que Putin mantém “negociações construtivas”, por considerar que não existe outra alternativa para estabilizar o mercado internacional de hidrocarbonetos.

A OPEP+ corresponde ao grupo que junta os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) com outros produtores, como a Federação Russa.

No sábado foi anunciado que a OPEP e os seus aliados adiaram para quinta-feira a reunião prevista para segunda, sobre a queda das cotações do petróleo associadas à pandemia da covid-19.

Russos e sauditas, os dois principais produtores de petróleo, juntamente com os Estados Unidos, não concordam com a quantidade de produção a ser reduzida.

Putin disse na sexta-feira que a presidência russa está disponível para chegar a um acordo, desafiando os Estados Unidos a participarem das negociações de forma a equilibrar o mercado.

Já a Arábia Saudita, no sábado, classificou como “categoricamente falsas” as acusações de Moscovo sobre a recusa de Riade de prolongar o acordo entre os países da OPEP+ e seus aliados.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.