O encontro foi marcado, uma vez mais, para as 09:30 no Estádio Nacional, no Jamor, em Oeiras, seguindo depois, em marcha lenta pela Marginal, 24 Julho e Av. Infante Santo, de onde depois partiu uma comitiva até à sede do PSD, na Lapa.

Em declarações à Lusa, Diogo Fernandes, um dos motoristas do movimento TVDE que esteve reunido com o secretário-geral adjunto do PSD Francisco Figueira, a quem entregou o caderno reivindicativo da alteração da Lei 45/2018 (que ficou conhecida como a Lei ‘Uber’) e o relatório de custos da atividade, revelou que a reunião “correu bem”.

“Estivemos reunidos cerca de 45 minutos e o PSD mostrou abertura e ser conhecedor dos nossos protestos”, explicou Diogo Fernandes.

Segundo o responsável, em causa estão quatro pontos fundamentais para os motoristas e parceiros TVDE, nomeadamente o “aumento do valor do quilómetro para 71 cêntimos líquidos”, a “criação de uma exceção para as empresas TVDE, uma vez que as viaturas, por lei, só podem circular sete anos, havendo parceiros que vão continuar a pagar os carros além disso, tendo em conta os dois anos de pandemia”.

O movimento apela ainda que possam saber “antes da aceitação do pedido todos os detalhes da viagem, como a morada de recolha, a morada de destino e o valor líquido da viagem, de forma a não percorrem, por vezes, 15 quilómetros, para uma viagem de 2,5 euros”.

Como quarto ponto, o responsável refere a questão de os motoristas “conhecerem a razão dos bloqueios por parte das plataformas” e a necessidade de uma entidade em Portugal dar o apoio jurídico necessário quanto a esta questão.

Os motoristas e parceiros pretendem que o valor mínimo por quilómetro esteja regulamentado em Decreto-Lei, de forma a garantir que estão cobertos os custos mínimos da atividade.

Hoje foi a quinta quarta-feira consecutiva em que os motoristas e parceiros saíram à rua em protesto, em Lisboa.

Depois de se deslocarem, nos primeiros protestos, às sedes das plataformas, hoje os "cerca de 100 carros", segundo a organização, deslocaram-se à sede do PSD e do PS, tendo já abertura para uma reunião com o Livre, segundo Diogo Fernandes.

Na sede do Partido Socialista, no Rato, a comitiva foi recebida pelo secretário-geral adjunto, José Luís Carneiro, a quem entregou o caderno reivindicativo da alteração da Lei 45/2018 e o relatório de custos da atividade e que, de acordo com Diogo Fernandes, “manifestou a disponibilidade de uma reunião, mais concisa, na primeira ou segunda semana de março para falarmos sobre as nossas reivindicações”.

“O secretário-geral fez questão, depois de reunir connosco numa sala, ir ao encontro dos restantes companheiros de luta que se encontravam no exterior dar uma palavra de apoio e dizer que vamos conversar e tentar resolver os problemas do setor”, disse Diogo Fernandes.

Até ao momento, os representantes do movimento TVDE já se reuniram com o representante da Free Now em Portugal e já têm nova reunião agendada para o próximo mês.

Também a Bolt e a Uber têm reuniões agendadas, em 21 e 25 de fevereiro, respetivamente.

Em resposta escrita enviada à Lusa, fonte oficial da Free Now manifestou a sua solidariedade para com as revindicações dos motoristas “por melhores condições” e referiu que foram desenvolvidas “uma série de iniciativas com o intuito de estimular e elevar a fasquia global do setor”.

“Podemos avançar que subimos a tarifa mínima por viagem, de 2,50 euros para 3 euros, e eliminámos tarifas ‘low cost’, ao contrário dos nossos concorrentes, no sentido de tentarmos mitigar a precariedade e as baixas remunerações associadas à carreira de motorista TVDE”, indicou a empresa.

Fonte oficial da Uber em Portugal disse que a reunião “reforça o compromisso de ouvir constantemente os motoristas e parceiros para melhorar a sua experiência na aplicação”.

“Sabemos que tanto motoristas como utilizadores valorizam um serviço fiável, seguro e que faça sentido do ponto de vista económico, e mantemo-nos empenhados em trabalhar para continuarmos a ser a aplicação de escolha de todos”, salientou na nota enviada à Lusa.

Por seu turno, a Bolt disse também estar a “trabalhar diariamente para contribuir que o desenvolvimento deste mercado de forma eficiente e sustentável. Para nós, o principal objetivo é o bem-estar de todos os parceiros envolvidos que são, naturalmente, influenciados pela legislação”.

“Neste tema, acompanhamos com o maior detalhe todos os desenvolvimentos, tendo como principal objetivo o de manter a Bolt como uma voz ativa em processos de avaliação da lei, procurando garantir um serviço com preços competitivos para o mercado e o maior lucro possível para os nossos parceiros", disse Nuno Inácio, responsável pelos serviços de Ride-Hailing da Bolt Portugal.

Atualmente, são três as operadoras a trabalhar no país: Uber, Bolt e Free Now, esta última criada a partir da MyTaxi (serviço de transporte em táxis através de uma aplicação de telemóvel) e que integra também os TVDE da antiga Kapten.

A lei n.º 45/2018 permitiu um período transitório de quatro meses de adaptação aos operadores de plataformas, sendo que os quatro que operavam então em Portugal – Uber, Cabify, Taxify (agora Bolt) e Kapten (marca que começou a sua atividade em Portugal como Chauffeur Privé) – ficaram todos legalizados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.