"A greve vai ser desconvocada da parte do SIMM", anunciou o porta-voz do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), Anacleto Rodrigues, no final da reunião.

O SIMM é um dos sindicatos que convocou a greve que decorre desde segunda-feira por tempo indeterminado. Já o Sindicato Nacional de Mercadorias de Matérias Perigosas (SNMMP) mantém a paralisação.

"Chegámos à conclusão de que esta greve não surtiu os efeitos da greve que desejávamos, mas surtiu em parte porque hoje fala-se da profissão de motorista e daquilo que é a nossa vida. Penso que hoje há um conhecimento diferente na opinião pública sobre aquilo que é a nossa profissão", disse Anacleto Rodrigues, representante do SIMM, à saída da reunião.

“Desconvocámos a greve numa base de irmos agora trabalhar no sentido daquilo que eram as nossas propostas e de que a Antram já tinha conhecimento", continuou. "E agora vamos trabalhar com uma primeira reunião já no próximo dia 12 de setembro”.

O dirigente sindical explicou que a ideia agora é "trabalhar naquilo em que ainda possa haver margem: os tempos de trabalho, a criação de um grupo que vai definir as regras que se aplicam nas questões das cargas e descargas, que é um trabalho que não temos obrigação de fazer". "Não é que seja pesado, as pessoas que não fiquem com a ideia de que os motoristas não querem fazer as cargas e descargas, é que esse trabalho feito por nós tira postos de trabalho à economia e coloca-nos numa situação de desproteção social", esclareceu.

Pelas 20:30 chegou ao Ministério das Infraestruturas e Habitação uma comitiva do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), tendo a Antram chegado depois das 21:00, representada pelo presidente da Associação, Gustavo Paulo Duarte, e pelo porta-voz, André Matias de Almeida.

"A luta dos nossos colegas não deixou de ser justa como era até aqui", frisou o porta-voz do SIMM, referindo-se ao SNMMP.

O porta-voz do sindicato disse que com a desconvocação da greve voltam ao trabalho "150 motoristas dos que estiveram nos piquetes hoje".

O SIMM tem cerca de 1.200 associados, segundo Anacleto Rodrigues.

Os motoristas de transportes de matérias perigosas e de mercadorias cumprem hoje o quarto dia de uma greve por tempo indeterminado, que levou o Governo a decretar uma requisição civil na segunda-feira à tarde, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

(Notícia atualizada às 23h57)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.