“O Exército birmanês deve renunciar ao poder que tomou, libertar os defensores e ativistas que deteve, retirar as restrições às comunicações e evitar toda a violência”, disse o presidente norte-americano, em declarações no Departamento de Estado.

“Numa democracia, a força não pode ser utilizada contra a vontade do povo”, adiantou.

Biden falava no Departamento de Estado em Washington D.C., perante funcionários diplomáticos, na sua primeira grande intervenção sobre política externa desde que tomou posse em janeiro.

Antes da intervenção, a Casa Branca já havia anunciado que estão a ser ponderadas “sanções específicas” contra o exército de Myanmar, após o golpe militar que depôs o Governo civil de Aung San Suu Kyi.

“Estamos a considerar a possibilidade de sanções direcionadas tanto contra indivíduos como contra entidades controladas pelos militares”, disse o conselheiro de segurança da Casa Branca, Jake Sullivan, numa conferência de imprensa.

Os Estados Unidos já tinham acusado, na terça-feira, o exército de Myanmar (antiga Birmânia) de ter realizado “um golpe de Estado” contra o Governo civil de Aung San Suu Kyi, avisando que haverá uma redução na ajuda norte-americana ao país.

Na sua intervenção de hoje, Joe Biden focou também na situação no Iémen, apelando ao fim das hostilidades e anunciando que a sua Administração irá por cobro ao apoio e vendas de armas à coligação liderada pela Arábia Saudita envolvida nos confrontos no país do Médio Oriente, que vive uma grave crise humanitária.

“Reforçaremos os nossos esforços diplomáticos para por fim à guerra no Iémen, uma guerra que criou uma catástrofe humanitária e estratégica”, afirmou o presidente norte-americano.

“Esta guerra tem de acabar (…) e para sublinhar a nossa determinação, poremos fim a todo o apoio norte-americano a operações ofensivas no Iémen, incluindo a venda de armas”, adiantou.

Biden anunciou ainda a intenção de multiplicar por oito, em relação ao mandato do seu antecessor, o número de refugiados a admitir pelos Estados Unidos.

A quota anual de refugiados, adiantou, irá subir para 125 mil pessoas, face a 15 mil no ano em curso.

Dirigindo-se ao pessoal diplomático, Biden afirmou que “a diplomacia está de regresso” ao centro da política externa norte-americana e prometeu “reconstruir” as alianças do país.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.