Tedros Adhanom Ghebreyesus falava na habitual videoconferência de imprensa transmitida da sede da OMS, em Genebra, na Suíça.

"A morte dos nossos idosos é uma bancarrota moral", afirmou, enfatizando que "aceitar que a morte dos idosos não é tão importante é a maior baixeza moral".

"Não podemos permiti-lo, temos que cuidar uns dos outros", sustentou.

O dirigente da OMS recordou ainda, para os que minimizam os efeitos da pandemia e saem à rua em protesto contra as restrições e sem proteção, que o coronavírus que causa a doença respiratória covid-19 "é real, muito perigoso, tem bastante capacidade de propagação e é letal".

"Temos de fazer tudo ao nosso alcance para nos protegermos e para protegermos os outros", acentuou, reiterando o apelo à solidariedade de todos os países para travar a pandemia.

Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, será necessário "remar na mesma direção para pôr fim a este vírus fatídico". O "equilíbrio" entre a reabertura das economias e a proteção da saúde, ainda que "frágil, é possível".

Para o diretor-geral da OMS, se o risco de transmissão do vírus "é elevado", o "melhor é evitar eventos de massa". Deu como exemplo os jogos de futebol, que, em seu entender, devem continuar a disputar-se nos estádios à porta fechada.

Reabertura das sociedades sem controlo "é receita para a desgraça"

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) avisou hoje que a reabertura "sem controlo" das sociedades e economias "é uma receita para a desgraça", lembrando que a pandemia da covid-19 não acabou.

Tedros Adhanom Ghebreyesus falava na habitual videoconferência de imprensa transmitida da sede da OMS, em Genebra, na Suíça.

"Compreendemos que as pessoas estão cansadas e querem continuar com a sua vida, compreendemos que os países querem reabrir as suas sociedades e economias. A OMS também quer, apoia a reabertura das economias e sociedades", afirmou, advertindo que "abrir sem controlo é uma receita para a desgraça".

Segundo o dirigente da OMS, "quanto mais controlo os países têm sobre o vírus" que causa a doença respiratória covid-19, "mais conseguem abrir" a sua economia e sociedade, condicionadas pelos efeitos da propagação da infeção.

"Queremos ver as crianças a voltarem às aulas e as pessoas a voltarem ao seu local de trabalho, mas queremos que isso ocorra de maneira segura", acentuou, assinalando que a pandemia "não terminou" e que o coronavírus SARS-CoV-2 "dissemina-se rapidamente e pode ser fatal para as pessoas de todas as idades".

Tedros Adhanom Ghebreyesus recordou que "a maioria das pessoas continua suscetível" à infeção.

A pandemia da covid-19 já provocou pelo menos 847.071 mortos e infetou mais de 25,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.822 pessoas das 58.012 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

(Artigo atualizado às 21:09)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.