“Com o início dos casos de Covid-19, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) foi percetível a dificuldade de obter alguns dos componentes dos equipamentos de proteção individual, nomeadamente artigos de proteção da cabeça e da região cervical e ombros (cogula), e botas de proteção de cano alto”, conta uma nota de imprensa enviada hoje à agência Lusa.

O CHUC diz que, “face a esta situação, um conjunto de profissionais desenvolveu soluções criativas e foi lançado o desafio de se colmatar internamente esta lacuna, com a confeção dos artigos em falta”.

“Desafio que foi, de imediato e sem reservas, assumido por seis costureiras que trabalham na rouparia do CHUC (cinco do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais – SUCH - e uma do CHUC)”, continuam os Hospitais de Coimbra.

A nota refere ainda que, “a trabalharem em exclusivo e desde então, nesta tarefa, foi possível, no passado dia 12 de março, produzir, no CHUC, a primeira cogula e as primeiras botas, em tecido, para proteção adequada dos profissionais de saúde que lidam diretamente com os doentes vítimas ou possíveis vítimas da covid-19. E, desde então, produzir cerca de 450 botas e 700 cogulas”.

“Tratou-se de uma solução inovadora, perante um desafio que requeria determinação e prontidão, e o compromisso de quem não baixa os braços perante as adversidades, a incerteza e o desconhecido. E foi, exatamente, o que aconteceu, à semelhança do que se regista com a generalidade dos profissionais e equipas do CHUC”, lê-se na nota.

Esta é, para os Hospitais de Coimbra, “uma aposta ganha, que vale por si e pelo que representa de apoio à segurança dos que cuidam e tratam dos doentes, mas que vale também pelo exemplo” porque “vários hospitais já adotaram a mesma metodologia ou a estão a adotar, para responder à escassez deste tipo de artigos no mercado”.

“Com o aumento do número de casos, torna-se difícil confecionar todas as peças necessárias, pelo que estamos já a tentar organizar grupos externos, de voluntários, que possam ajudar nesta tarefa, utilizando o material do hospital”, concluiu o CHUC.

Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral de Saúde.

Dos infetados, 201 estão internados, 47 dos quais em unidades de cuidados intensivos.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 2 de abril. Além disso, o Governo declarou na terça-feira o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.