Pavlo Sadokha, presidente da Associação dos Ucranianos em Portugal, já nem se lembrava, mas quando foi convidado pela Assembleia da República a prestar esclarecimentos sobre o caso polémico dos refugiados ucranianos recebidos na Câmara de Setúbal por funcionários russos pró-Putin, voltou atrás no tempo e descobriu que a primeira queixa que apresentou ao Alto Comissariado para as Migrações é de 2011. De lá para cá passaram mais de dez anos e três altos-comissários, mas pouco mudou.

Foram duas estreias para Pavlo Sadokha, em Portugal há já 21 anos: primeiro foi falar ao Parlamento - onde ontem e hoje decorreram audições sobre o acolhimento de refugiados pela Câmara de Setúbal -, depois veio ao "O sapo e o escorpião" contar o que o aflige: "Sabemos que as tropas russas quando invadem uma aldeia ou uma cidade têm uma lista negra de pessoas que depois são perseguidas, mortas ou levadas para sítios desconhecidos", diz.

"O sapo e o escorpião" é um podcast produzido pela MadreMedia que todas as semanas trará a discussão dos temas na agenda política ao SAPO24.

Este podcast pode ser ouvido nas plataformas habituais, que pode subscrever aqui:

Gostou de ouvir "O sapo e o escorpião", tem alguma sugestão ou pergunta para nós ou para os nossos convidados? O seu feedback é importante. Estamos "à escuta" no e-mail osapoeoescorpiao@madremedia.pt .

O presidente da Associação dos Ucranianos adianta que estas organizações pró-Putin estão por todo o lado, em Portugal, de norte a sul, mas não só: "O caso de Setúbal acontece em todo o mundo", assegura. E não acredita em coincidências infelizes ou insensatez, porque sabe "como os russos atuam há séculos, como funciona a máquina de espionagem de forças especiais da Rússia". Isso deixa-o de pé atrás.

Mas as denúncias não se ficam por aqui. Pavlo Sadokha denuncia os padres da Igreja Ortodoxa Russa ortodoxa, que sempre tiveram uma "retórica ofensiva aos ucranianos e continuam a ser representantes do Patriarca Kirill, que hoje é mais agente do KGB do que sacerdote espiritual".

O responsável lembra que "já há alertas e factos de que estas igrejas estão a criar escolas ou grupos que acolhem menores ucranianos para trabalhar com eles. Isso significa que eles [ucranianos] fugiram de uma perseguição dos russos e aqui caem nas mãos da propaganda russa. É inaceitável".

Lembramos que Portugal - e os números são da deputada do Partido Socialista Joana Sá Pereira -, já acolheu mais de 35 mil refugiados da Ucrânia, tem nove mil inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (das quais duas mil já têm contrato de trabalho), e mais de quatro mil crianças nas escolas do país.

Nesta conversa participou também a deputada municipal da Câmara de Lisboa, Margarida Bentes Penedo (CDS/PP), para explicar como é possível que casos destes - no ano passado foi a polémica transmissão pela CML de dados de manifestantes russos anti-Putin à Embaixada da Rússia -, continuem a acontecer sob o olhar da oposição e das Assembleias Municipais, que têm como função fiscalizar a ação do executivo.

"O executivo da câmara deve respostas às perguntas que lhes fazem os deputados. E, na altura, éramos alvo da maior chacota porque nos diziam: 'Parece impossível, estão preocupados com os dissidentes russos e ucranianos em vez de estarem preocupados com a pobreza em Lisboa'", conta.

Pavlo Sadokha recusa entrar em questões partidárias, mas confessa que ficou "muito surpreendido quando o presidente da Câmara de Setúbal [André Martins (CDU)] disse que não perguntava a Igor Khashin [presidente da Associação de Imigrantes dos Países de Leste (Enditsvo)] as suas preferências políticas, porque ele está ali para apoiar os refugiados, não fazem uma escolha pela cor, língua ou preferências políticas".

"Quer dizer, a Ucrânia é invadida pelos russos, e ao presidente da Câmara de Setúbal, que ocupa um cargo político, não interessa o que se passa fora de Setúbal?", pergunta o presidente da Associação dos Ucranianos em Portugal. Oiça toda a história e fique a saber quem são os sapos e quem são os escorpiões nesta polémica.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.