“Tudo o que iniba o contacto entre as pessoas faz sentido” na fase em que se encontra o país, adiantou o especialista à Lusa, no dia em que o Conselho de Ministros extraordinário aprovou o agravamento das medidas restritivas determinadas na passada quinta-feira para combater a pandemia de covid-19.

Sobre as medidas anunciadas por António Costa, Pedro Simas adiantou que a sua eficácia na redução de infeções e de internamentos “depende também se as pessoas adirem” às restrições implementadas, recordando que na primeira vaga, na primavera de 2020, todos os países “só com medidas dramáticas é que conseguiram baixar” os números da pandemia.

“É preciso ir vendo e, em função dos números, apertar mais as restrições ou manter estas”, referiu o virologista, que considerou uma “excelente medida” o anúncio do primeiro-ministro de concluir a primeira toma da vacina contra a covid-19 nos lares de idosos até ao final da próxima semana.

“É aí que temos de nos concentrar, não só nos lares, mas também nos grupos de risco fora dos lares”, disse Pedro Simas, ao defender que, ao nível dos profissionais de saúde e das forças de segurança, devem ser vacinados os elementos considerados grupo de risco, libertando vacinas para administrar em mais pessoas.

Além disso, o especialista considerou que Portugal pode “utilizar o protocolo da vacina” da farmacêutica Pfizer para dilatar o prazo entre a primeira e a segunda toma do fármaco, o que permitiria que a primeira dose fosse administrada ao dobro das pessoas nas próximas semanas.

“É muito importante dar as duas doses, mas a Agência Europeia do Medicamento já disse que não viola o protocolo da Pfizer dar a segunda toma entre o 21º e o 42º dia após a primeira toma. Ganhava-se três semanas”, assegurou.

Pedro Simas adiantou também que esta pandemia já “ensinou” que, com os níveis de infeção registados em Portugal, “só com medidas muito severas é que se consegue travar a disseminação do vírus e baixar para números que sejam aceitáveis”, na casa dos dois mil novos casos por dia.

Portugal contabilizou hoje 167 mortes, um novo máximo de óbitos em 24 horas relacionados com a covid-19, e 6.702 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o boletim epidemiológico da DGS Portugal ultrapassou hoje os nove mil mortos relacionados com a covid-19, desde o início da pandemia, em março de 2020, ao serem contabilizadas 9.028 mortes, e um total de 556.503 infeções pelo vírus SARS-CoV-2.

O boletim revela também que hoje foram ultrapassados os cinco mil internamentos hospitalares por covid-19, encontrando-se 5.165 pessoas internadas, mais 276 do que no domingo, das quais 664 em unidades de cuidados intensivos, ou seja, mais 17, dois valores que representam novos máximos da fase pandémica.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.