As prisões israelitas, com mais de 4.000 detidos palestinianos, registaram um surto de tensão a semana passada após a evasão de seis palestinianos, membros de grupos armados, da penitenciária de alta segurança de Gilboa (norte), através de um túnel escavado sob um lavatório.

A tensão começou com a transferência de várias centenas de pessoas daquela prisão, a realização de buscas e o confisco de objetos pessoais, segundo o Clube dos Prisioneiros Palestinianos. Alguns detidos causaram incêndios em centros prisionais.

“A situação dentro das prisões está muito má, o que levou os presos a fazerem greve de fome”, indicou à agência France-Presse Qadri Abu Bakr, presidente da comissão encarregada dos prisioneiros, órgão da Autoridade Palestiniana.

Bakr precisou que 1.380 presos farão greve de fome a partir de sexta-feira, adiantando que outros se juntarão ao movimento na próxima semana.

A Cruz Vermelha anunciou hoje que Israel decidiu voltar a autorizar as visitas aos presos, depois de as ter suspendido na semana passada.

Quatro dos seis fugitivos palestinianos, presos por envolvimento em ataques anti-israelitas, foram capturas no passado fim de semana no norte de Israel.

Bakr expressou preocupação com a sua situação, afirmando que nem os seus advogados nem a Cruz Vermelha puderam visitá-los.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.