Os dados foram obtidos junto das autoridades dos 16 estados federados do país e mostram que mais de 12.000 investigações policiais foram abertas em todo o país e que os casos aumentaram desde dezembro, após a introdução de novas restrições que em grande parte impedem as pessoas não vacinadas de participar na vida pública.

Segundo a lei alemã, quem fornece ou usa certificados falsos pode enfrentar sanções que vão desde multas e penas de prisão suspensas até à perda de emprego.

Uma das investigações abertas pelos procuradores é de homicídio culposo num caso em que uma mulher terá usado um certificado de vacinação falso para continuar a trabalhar num lar de idosos, apesar de ter familiares coabitantes com covid-19.

O parlamento alemão prevê debater a obrigatoriedade da vacinação, embora fontes do Governo reconheçam que é improvável que a medida venha a ser adotada nos próximos meses.

Quase 73% da população alemã recebeu a vacinação contra a covid-19 e quase 48% teve já a dose de reforço.

A Alemanha registou, apesar disso, um novo número recorde de casos confirmados, com 112.323 novas infeções nas últimas 24 horas e 239 mortes relacionadas com a covid-19.

A covid-19 provocou 5.543.637 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse (AFP).

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.