Segundo a autoridade, os incêndios lavraram na localidade de Astromil e "terão sido provocados com recurso a isqueiro, em locais escondidos, para a propagação se desenvolver insidiosamente".

A investigação da PJ começou depois de ter sido alertada pela proteção civil distrital do Porto, "que referenciou o elevado índice de ignições florestais naquela localidade".

"As ignições consumiram uma área total com cerca de 10 hectares, desenvolvendo-se os incêndios, em regra, muito próximo de habitações e só não assumindo outras proporções devida à pronta e eficiente intervenção dos bombeiros", lê-se no comunicado.

Segundo a autoridade, o arguido encontra-se ainda indiciado "por cinco investigações pendentes pela prática de crimes de incêndio urbano, em habitações e numa viatura".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.