“O aumento galopante do preço dos combustíveis, a par do reduzido valor por quilómetro pago pelo Estado, tornou este serviço incomportável para esta Associação Humanitária, forçando-a a esta drástica decisão”, referem os Bombeiros Voluntários de Cantanhede, numa nota de imprensa enviada hoje à agência Lusa.

Esta decisão afetará diariamente cerca de 80 utentes e uma média mensal de aproximadamente 2.000 transportes.

“Estes são tempos extraordinários, que exigem medidas extraordinárias e urgentes”, sublinha o comunicado.

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Cantanhede, no distrito de Coimbra, reivindica do Estado, há vários anos, o aumento do valor pago por quilómetro no transporte de doentes não urgentes.

Esse valor mantém-se “inalterado nos 0,51 euros desde 2012”, afirma.

“Se, nos últimos anos, este valor tem sido insuficiente para cobrir as despesas, exigindo desta associação o redirecionamento de verbas no intuito de assegurar este serviço à população, com a subida do salário mínimo e a escalada do preço dos combustíveis a que se tem assistido ultimamente, este esforço passou a ser insustentável”, frisa a mesma nota.

No comunicado, a Associação afirma que “não pode continuar a financiar um serviço que é da inteira responsabilidade do sistema nacional de saúde e do Estado português”.

Enquanto a situação não for revista e atualizada, a atividade da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Cantanhede vai “limitar-se só à prestação de socorro à população do concelho em situação de emergência”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.