O grupo parlamentar do PCP considera "inaceitável" e "antidemocrático" a posição tomada pela ANAC (Autoridade Nacional da Aviação Civil), no passado dia 5 de dezembro, relativamente a um plenário de trabalhadores do supervisor da aviação, quando diz que não entende a iniciativa quando está a decorrer um processo de diálogo.

"Este comportamento é totalmente inaceitável numa entidade reguladora que se quer independente e se exige respeitadora da legalidade democrática", lê-se no requerimento apresentado hoje pelo deputado Bruno Dias, aprovado na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

O PCP aponta ainda o dedo ao papel do presidente da ANAC no setor do 'handling' (assistência em terra), nomeadamente ao licenciar a Groundlink e ao permitir o self-handling da Ryanair, e ainda na segurança aeroportuária face às "evidentes lacunas no que respeita às condições de trabalho".

"Ora o presidente do conselho de administração da ANAC mostra-se objetivamente alinhado com o modelo que a multinacional [Vinci, dona dos aeroportos nacionais] quer impor, confirmando todas as dúvidas colocadas pela CRESAP e pela Assembleia da República à sua nomeação", conclui.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.