“Este domingo, vai decidir-se se continuamos a existir como república ou se se instaura um sistema personalista e totalitário”, afirmou hoje a responsável, que se opõe a um processo para redigir uma nova Carta Magna, que classificou recentemente como “um atropelo”.

“Estamos a jogar o futuro do país, a existência do Estado de Direito, tal como o conhecemos desde a segunda metade do século XX. Com os seus acertos e erros, o sistema democrático é o que nos permite dirimir as nossas diferenças de forma civilizada”, considerou.

A titular do Ministério Público alertou que qualquer proposta diferente deste sistema democrático “não contribuirá para a construção da convivência” e pediu ao Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, para que escute o povo e retire a Constituinte.

“Ainda está a tempo de o fazer”, defendeu.

Ortega disse ainda temer que “a violência se exacerbe” no atual contexto de protestos contra o processo para as alterações da Constituição, e apelou ao Governo e à oposição para que apostem num diálogo que considera “fundamental” para sair da situação em que se encontra a Venezuela.

“Os atores políticos do Governo e da oposição devem entender que não podem pretender substituir a política pela guerra, que devemos aceitar a existência do outro”, disse também, e acusou o executivo de Maduro de estar num Estado de negação da realidade.

Sobre o recente anúncio da antiga ministra dos Negócios Estrangeiros e candidata à Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez, de que proporá modificar as competências do Ministério Público, a procuradora considerou existir uma demonstração da sua falta de “cultura política e republicana”, acusando-a de querer destruir a instituição por discordar do seu titular.

Ortega converteu-se numa das vozes mais críticas, dentro das instituições, contra Maduro, que acusa de praticar “terrorismo de Estado” e de converter a Venezuela num “Estado policial”.

A oposição, a procuradora-geral e importantes atores sociais venezuelanos rejeitam a Assembleia Nacional Constituinte convocada pelo Governo sem um referendo prévio de aprovação, e que terá plenos poderes para reorganizar o Estado e as suas instituições.

Protestos contra e a favor o Governo venezuelano causaram, nos últimos quatro meses, mais de 110 mortos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.