Estas posições foram transmitidas por Ana Catarina Mendes no discurso que encerrou a "jornada de trabalho" do Grupo Parlamentar do PS, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, numa intervenção em que assumiu o compromisso de "tirar do papel" o estatuto do cuidador informal e em que também se interrogou sobre qual vai ser o posicionamento das forças à esquerda do seu partido na atual conjuntura do país.

Sem nunca tocar no nome do Chega, a presidente do Grupo Parlamentar do PS defendeu que aqueles que acreditam na liberdade e na igualdade de oportunidades "têm o dever de demonstrar na Assembleia da República o respeito pela instituição" parlamentar "e combater com toda a energia o populismo, o discurso do medo e o extremismo".

"Não silenciemos o populismo ou o extremismo, ou as atrocidades que se vão ouvindo por aí por alguns partidos, designadamente contra as mulheres. O PS não se pode calar, não deve calar-se", defendeu.

Ana Catarina Mendes advertiu depois que os tempos atuais "não estão para brincadeiras ou para aventureirismos" e, neste contexto, deixou uma pergunta aos parceiros de esquerda do PS no parlamento.

"O Grupo Parlamentar do PS tem de perguntar qual é o posicionamento [destas forças políticas] num momento em que optamos que por mudanças que vão alterar a vida das pessoas, num momento em que queremos continuar a valorizar os salários dos trabalhadores, com mais medidas de justiça social e mais proteção social e em que queremos dar mais um impulso ao investimento público", questionou a líder da bancada socialista.

"Este é o momento em que todos somos convocados para uma emergência de uma crise que não provocámos pela nossa ação governativa, mas que foi provocada por um inimigo invisível. Importa saber de que lado estarão os parceiros à esquerda. Esperemos que estejam com o caminho que trilhámos nos últimos cinco anos", reforçou.

A intervenção de Ana Catarina Mendes foi também marcada pelos avisos que deixou às ordens profissionais.

"O Grupo Parlamentar do PS não quer uma luta ou uma batalha contra as ordens profissionais, mas entende que uma ordem profissional tem de regular a sua profissão. Não pode ser um sindicato disfarçado, nem tão pouco pode ser uma arma de arremesso política contra qualquer governo, seja ele qual for", disse.

A presidente do Grupo Parlamentar do PS defendeu em seguida que o papel das ordens profissionais é o de regular o acesso à profissão.

"Mas qual a razão para algumas ordens profissionais insistirem em colocar barreiras no acesso à profissão? Qual a razão para insistirem em não reconhecer um profissional que se licenciou no estrangeiro? Não estamos contra as ordens. Estamos contra o excesso de barreiras que existem para o acesso livre às profissões em Portugal", justificou.

Ana Catarina Mendes abriu a sua intervenção com um recado de caráter interno.

"Este Grupo Parlamentar não é uma repartição do Governo ou uma caixa de ressonância do Governo. Mas este Grupo Parlamentar apoia o Governo", afirmou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.