Em comunicado a PSP adianta que as buscas foram realizadas nos concelhos de Avis, Almeirim, Monforte, Fronteira, Elvas, Campo Maior e Setúbal, as quais permitiram apreender dezenas de telemóveis, computadores portáteis e equipamento eletrónicos, cartões telefónicos e diversa documentação bancária e faturas de compras. Foram ainda constituídos 11 arguidos por suspeitas de burla, burla informática, falsidade informática ou acesso ilegítimo.

A estratégia, explica a polícia, visa identificar, não apenas os autores materiais dos crimes, mas também quem retirava dividendos da prática dos mesmos, tendo sido desencadeada, em 05 de junho, uma operação no Estabelecimento Prisional de Vale Judeus, onde foram realizadas cinco buscas e apreendida diversa prova.

Durante a investigação foram detetadas 185 ocorrências criminais, num total de 213 mil euros que se desenrolaram com base em relações de parentesco, afinidade, co-titularidades de contas bancárias, partilhas de cartões SIM, ou proximidade geográfica.

"Este tipo de ilícitos tem vindo a assumir valores muito relevantes, tendo a PSP registado desde o início de 2019 cerca de 3200 denúncias que provocaram prejuízos às vítimas superiores a 2,4 milhões de euros, subtraídos ilicitamente das contas bancárias. O maior volume de crimes verificou-se durante o primeiros quatro meses deste ano, chegando a ser registadas diariamente pela PSP mais de 35 ocorrências", indica o comunicado.

O inquérito está a cargo do Departamento de Investigação Criminal da PSP e é dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

(Notícia atualizada às 14h20)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.