Entre cânticos, várias palavras de ordem, diversos cartazes e as cores da bandeira da Guiné-Bissau (amarelo, verde e vermelho), os manifestantes concentraram-se inicialmente, ao início da tarde, na zona do Rossio, tendo depois iniciado uma curta marcha até à sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), também localizada na Baixa pombalina.

“Abaixo Governo Golpista”, “Terrorista é a Ditadura que mata”, “Quem adormece a democracia, acorda a ditadura” ou “Vamos todos lutar por uma Guiné melhor” eram algumas das frases escritas nos vários cartazes exibidos pelos manifestantes, a grande maioria com máscaras de proteção individual por causa da atual pandemia de covid-19, mas, em alguns momentos do protesto, longe de cumprir o necessário distanciamento físico.

“Estou muito descontente com o que se está a passar na Guiné-Bissau neste momento. Porque estamos a perder a liberdade cada vez mais. Quem critica, quem é da oposição, é amordaçado, é atacado”, disse, em declarações à agência Lusa, Mariano Quade, um dos organizadores do protesto.

“Esta manifestação é para demonstrar isso e para demonstrar que queremos que pelo menos os políticos deem o exemplo. Que sigam a Constituição, que respeitem a lei magna do país, que diz que todos os organismos ou que todos os órgãos soberanos devem ter espaço para se expressar, para haver verdadeiramente uma democracia, uma sociedade democrática”, reforçou o ativista guineense.

A Guiné-Bissau está a viver um período de especial tensão política desde o início do ano, depois de a Comissão Nacional de Eleições ter declarado Umaro Sissoco Embaló vencedor da segunda volta das eleições presidenciais.

O candidato dado como derrotado, Domingos Simões Pereira, líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), não reconheceu os resultados eleitorais, alegando que houve fraude e meteu um recurso de contencioso eleitoral no Supremo Tribunal de Justiça, que não tomou, até à data, qualquer decisão.

Umaro Sissoco Embaló autoproclamou-se Presidente da Guiné-Bissau em fevereiro e acabou por ser reconhecido como vencedor das eleições pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que tem mediado a crise política no país, e pela ONU e restantes parceiros internacionais.

Após ter tomado posse, o chefe de Estado demitiu o Governo liderado por Aristides Gomes, saído das eleições legislativas de 2019 ganhas pelo PAIGC, e nomeou um outro liderado por Nuno Nabian, líder da Assembleia do Povo Unido-Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), que assumiu o poder com o apoio das forças armadas do país, que ocuparam as instituições do Estado.

A manifestação da diáspora guineense em Lisboa aconteceu numa altura em que Nuno Nabian se encontra em Portugal e foi realizada no mesmo dia em que, de manhã, o primeiro-ministro da Guiné-Bissau foi recebido numa audiência de cortesia pelo chefe do Governo português, António Costa.

Este facto não passou despercebido aos guineenses concentrados na capital portuguesa.

“Esta manifestação é feita num momento em que temos um primeiro-ministro que também foi colocado à força, à revelia daquilo que é a ordem democrática. E também estranhamos, e de que maneira, a receção ou o acolhimento oficial que tem sido dado a um primeiro-ministro que não está de acordo com aquilo que é a Constituição”, declarou Mariano Quade.

“Sabemos que Portugal é um país democrático, que defende a democracia. E o que nós esperávamos era que pelo menos fosse ao encontro desses princípios e isso não está a ser observado”, prosseguiu.

Nesse sentido, o ativista guineense deixou um apelo dirigido ao executivo português.

“Queremos que Portugal e que o seu Governo interfira e possa ajudar no sentido de repor a ordem constitucional, que o Governo [guineense] saído das urnas possa retomar as suas funções. (…) Apelamos ao Governo português que reflita sobre esta matéria”, disse Mariano Quade.

“Esta manifestação é uma representatividade da diáspora cá em Portugal a dizer não, que este não é o caminho, vamos respeitar, vamos pela lei, vamos respeitar a Constituição e vamos pôr a Guiné a andar minimamente dentro das regras”, reforçou o ativista ainda junto da sede da CPLP, onde os manifestantes permaneceram uns largos minutos antes de regressarem à zona do Rossio para prosseguir o protesto.

Ainda este mês, no próximo dia 23, os guineenses na diáspora pretendem manifestar-se em Bruxelas (Bélgica), junto da sede da União Europeia (UE), para denunciar igualmente a situação que atravessa atualmente este país lusófono.

“Temos autorização para lá estar, vamos ser ouvidos pelo Parlamento Europeu, no sentido de os sensibilizar para aquilo que é o respeito pela ordem constitucional na Guiné-Bissau”, explicou o ativista, concluindo: “Não pedimos de mais, só estamos a pedir que o nosso país seja governado dentro daquilo que são as regras”.

O Presidente Umaro Sissoco Embaló anunciou recentemente que o Estado vai passar a monitorizar as comunicações entre os cidadãos, alegando que a medida visa garantir a segurança.

Organizações da sociedade civil guineense têm denunciado detenções e espancamentos de pelo menos uma centena de pessoas, incluindo políticos e empresários, vítimas de violência policial.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.