Num discurso na televisão, Mohammed VI falou longamente das relações entre Rabat e Argel, afirmando que estão “afastadas da normalidade e criam, de facto, uma situação inaceitável”.

A fronteira entre os dois países está fechada desde 1994 e o último encontro de chefes de Estado remonta a 2005.

“Desde que subi ao trono, apelei com sinceridade e boa-fé à abertura de fronteiras (…), à normalização das relações”, insistiu Mohammed VI, que sucedeu ao pai, o rei Hassan II, em 1999.

Para avançar, o monarca propôs um novo “mecanismo político conjunto de diálogo e concertação”, precisando que “o nível de representação no seio dessa estrutura, o seu formato e natureza deveriam ser definidos de comum acordo”.

Este mecanismo permitiria discutir “sem tabu” todas as questões bilaterais em suspenso e “colocar todas as queixas na mesa”, da droga e contrabando à questão do Saara Ocidental, disse à AFP um alto responsável governamental, falando sob anonimato.

A questão do Saara Ocidental perturba as relações entre os dois países há mais de 40 anos.

Apoiada pela Argélia, a Frente Polisário defende um referendo de autodeterminação para o Saara Ocidental.

Marrocos, que assumiu o controlo da maior parte do território a partir de 1975 após a retirada de Espanha, defende uma solução de autonomia, mantendo a sua soberania.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.