Sanders obteve no Oregon 53% dos votos, contra 47% para Clinton, que as sondagens apontavam como vencedora no Estado. Já no Kentucky, Sanders e Clinton estão virtualmente empatados, após o apuramento de 99% dos votos, com a ex-secretária de Estado a receber 46,7% e o senador do Vermont, 46,3%.

Estes resultados mantêm a ampla vantagem de Clinton na corrida pela candidatura democrata, mas voltam a mostrar a evidente divisão interna no eleitorado democrata. Ao falar para uma multidão em Carson, Califórnia, Sanders agradeceu nesta terça-feira o apoio dos seus partidários, apesar do favoritismo de Clinton. Sanders recordou que nesta mesma primária do Kentucky em 2008 Clinton derrotou o então pré-candidato Barack Obama por mais de 200 mil votos, "mas esta noite obtivemos metade dos delegados". O senador voltou a afirmar que não vai atirar a toalha ao chão: "quero dizer-vos que estamos nesta luta até à última urna".

No Partido Republicano, o magnata Donald Trump - único pré-candidato - venceu naturalmente a primária no Oregon. Não houve votação republicana no Kentucky. Como os democratas distribuem os seus delegados de acordo com um critério proporcional, a vitória de Sanders - por uma margem estreita - não impede que Clinton continue a ganhar força. Neste cenário, o duelo parece que não se definirá até às primárias da Califórnia, previstas para 7 de junho.

Hillary Clinton apoia-se fundamentalmente nos 'superdelegados' do Partido Democrata (legisladores e dirigentes) para obter a indicação na convenção nacional, prevista para julho. Apesar do otimismo no início da campanha eleitoral, a disputa partidária aproxima-se dos capítulos finais com Hillary Clinton em boa vantagem, mas ainda incapaz de cantar vitória, já que parte considerável do eleitorado democrata deixou claro que prefere as propostas mais ousadas de Sanders.

Na semana passada, Sanders venceu com folga as primárias no estado da Virgínia Ocidental, que tem em comum com Kentucky a importante indústria do carvão. O triunfo de Sanders na Virgínia Ocidental foi um verdadeiro revés para Clinton, que derrotou com boa vantagem Barack Obama neste estado na disputa interna democrata de 2008. Assim, ao invés de afinar o discurso para enfrentar Trump na campanha presidencial, Hillary Clinton passou a segunda-feira em intensa campanha no Kentucky, em busca dos votos de um setor que resiste em apoiá-la: os homens brancos da classe operária.

Trump, por sua vez, concentra-se agora em tentar fechar as feridas que a sua candidatura abriu no Partido Republicano, para unir forças e evitar uma surpresa na convenção nacional, que terá llugar no fim de julho, em Cleveland. Um grupo de apoio à campanha de Hillary começou a divulgar nesta terça-feira pela televisão um vídeo que critica frontalmente Trump pelos seus ataques e comentários depreciativos contra as mulheres. A resposta de Trump não demorou: "é incrível que Hillary, a mentirosa, possa fazer um vídeo sobre mim e as mulheres, quando o marido dela foi o pior abusador de mulheres na histórica política dos Estados Unidos", expressou no Twitter. 

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.