"Estas chuvas que começaram a cair nos últimos dias de fevereiro e durante este mês de março alteraram completamente o panorama da albufeira", disse hoje à agência Lusa o presidente da Associação de Beneficiários do Lucefécit, Gonçalo Morais Tristão.

Com uma capacidade total de 10 milhões de metros cúbicos de água, a albufeira do Lucifécit tinha disponível para rega, há pouco mais de um mês, cerca de 700 mil metros cúbicos de água, quantidade que representa 10% das necessidades para uma campanha normal.

"O nosso perímetro de rega tem agora a expectativa de poder fazer, este ano, uma campanha de rega perfeitamente normal", indicou o responsável, adiantando que a barragem "encheu e até já descarregou, vários dias, diretamente para o Alqueva".

Segundo o presidente da associação de regantes, quando é atingido o limite da albufeira, a água é descarregada através da saída de fundo da barragem para a ribeira do Lucifécit e segue para a albufeira do Alqueva.

Gonçalo Morais Tristão realçou que a albufeira do Lucefécit "é relativamente pequena", notando que o regadio no perímetro "depende, todos os anos", do nível de armazenamento.

"Este ano, temos a campanha de rega assegurada. Em 2019, logo se vê", referiu.

O também agricultor contou que a instalação das culturas de primavera/verão, sobretudo milho, "está a ser preparada", explicando que "ainda não se avançaram com as sementeiras porque choveu bastante e os solos estão cheios de água".

"Com uns bons dias de sol e vento, será possível começar a entrar nos terrenos com as máquinas", assinalou, prevendo que esse trabalho seja feito dentro de "uma, duas ou três semanas, no máximo".

A Associação de Beneficiários do Lucefécit tem 106 agricultores e regantes, sendo que o perímetro de rega abrange uma área de 1.170 hectares.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.