“Aplicado a uma área onde o acesso a respostas é difícil, a dermatologia, a adoção de ferramentas de inteligência artificial, devidamente validadas e supervisionadas por dermatologistas, constitui o caminho certo para garantir diagnósticos mais rápidos e precisos para os utentes do SNS”, refere a organização, em comunicado.

A escolha da aplicação está em concurso público e uma das condições é que já esteja validada cientificamente, afirmou à Lusa Tomás Pessoa e Costa, médico dermatologista que está à frente deste projeto.

"Em vez de ir sobrecarregar o médico de família, cada pessoa poderá fotografar com a aplicação e depois, se exigir um risco, é enviada para o dermatologista com prioridade alta", afirmou o responsável.

Salientando que o novo sistema irá servir também quem não tenha um médico de família atribuído, Tomás Pessoa e Costa explicou que, “caso não exista risco, o doente ficará tranquilizado, com indicações de que, se o aspeto mudar, deve fazer nova verificação".

Esta medida irá permitir “encurtar o prazo de tratamento em muitos meses das lesões graves e colocar os doentes no sistema”, acrescentou.

Em parceria com os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde e a Administração Central dos Sistema de Saúde, o SNS refere que lançou “uma linha de financiamento que suportará uma solução de inteligência artificial que permitirá aos profissionais de saúde e aos utentes do SNS fotografar as lesões dermatológicas com potencial neoplásico, usando o telemóvel, e receber uma avaliação do respetivo nível de risco”.

“Esta ferramenta de Inteligência Artificial permitirá rentabilizar o tempo dos dermatologistas do SNS, qualificando a resposta aos casos com maior probabilidade de malignidade”, refere ainda o comunicado.

Segundo o diretor executivo do SNS, Fernando Araújo, esta solução inscreve-se na estratégia prometida de “utilizar tecnologias inovadoras para melhorar o acesso, a eficiência e a qualidade dos cuidados de saúde em Portugal”.

Citado no comunicado, o responsável salientou que a inteligência artificial é “uma ferramenta complementar no diagnóstico e tratamento de doenças dermatológicas e coloca o SNS entre os sistemas de saúde mais inovadores e tecnologicamente mais disruptivos”.

O concurso já foi lançado, tem um valor indicativo de 75 mil euros e deverá estar concluído até final do primeiro semestre do ano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.