Bannon, juntamente com três outras pessoas (Brian Kolfage, Andrew Badolato e Timothy Shea), foi acusado de defraudar os doadores da campanha de crowdfunding "We Build The Wall" ["Nós Construímos o Muro"]. No total, a campanha permitiu arrecadar mais de 25 milhões de dólares, conta a BBC.

O ex-conselheiro de Trump terá recebido mais de um milhão de dólares, segundo o Departamento de Justiça dos EUA, que usou para uso próprio.

Segundo o The Guardian, Bannon e os três outros homens detidos "planearam um esquema para direcionar os pagamentos" através de uma organização sem fins lucrativos controlada por Bannon e uma empresa sob o controlo de Timothy Shea.

O inspetor responsável pelo caso referiu que os quatro criaram "faturas e contas falsas para lavar dinheiro das doações e encobrir os seus crimes, sem respeitar a lei ou a verdade".

A campanha "Nós construímos o muro" prometeu usar as doações para construir segmentos da barreira da fronteira, cuja construção foi uma promessa de Trump durante as eleições de 2016.

Segundo a AP, apesar de várias tentativas, o telefone do advogado de Bannon não foi atendido ao longo da manhã de hoje. Uma porta-voz de Bannon também não respondeu a um pedido para comentar a detenção.

Já Donald Trump disse não saber de nada sobre a campanha 'online' para financiar o muro na fronteira com o México. "Não sei nada sobre este projeto", disse o presidente dos EUA na Sala Oval. "Não tenho contacto com ele há muito tempo", acrescentou, referindo-se a Bannon.

A porta-voz de Trump, Kayleigh McEnany, emitiu pouco antes um comunicado destacando que o presidente não tinha "nenhum envolvimento" com esta iniciativa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.