Esta investigação foi iniciada depois que as vítimas deste padre denunciaram vários líderes da diocese de Lyon, entre eles o cardeal Philippe Barbarin, por não terem denunciado os factos à justiça.

Uma das vítimas confirmou à AFP ter apresentado uma série de ações contra Barbarin e outro cardeal, Gerhard Ludwig Muller, líder da Congregação para a Doutrina da Fé, o antigo Santo Ofício da Inquisição.

Após a divulgação do início desta investigação, a conferência de bispos da França reiterou, neste sábado, a sua "política de firmeza" ante os atos de pedofilia cometidos por padres.

Por sua vez, a diocese de Lyon afirmou que Barbarin "não era arcebispo de Lyon quando os incidentes ocorreram e que nunca encobriu nenhum ato de pedofilia".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.