"Não sendo o tabaco aquecido um produto inócuo ou isento de riscos, consiste, não obstante, numa melhor alternativa para eles [fumadores] do que os cigarros", refere a fabricante nacional de cigarros, subsidiária da Philip Morris International.

A empresa reagia assim, em comunicado, à Direção-Geral da Saúde e ao Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), que, numa nota de imprensa hoje divulgada, advertem que "não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido", pois "apresentam riscos para a saúde e não devem ser consumidos".

A Tabaqueira cita "evidência científica independente", entidades como o regulador do medicamento norte-americano e laboratórios da rede TobLabNet, da Organização Mundial de Saúde, para justificar o recurso ao tabaco aquecido, "uma solução sensata" para os fumadores.

"Estamos absolutamente de acordo que a melhor opção é não começar a fumar e, para os fumadores, é deixar completamente de usar produtos de tabaco ou com nicotina. No entanto, a realidade é que muitos não o irão fazer. Estes fumadores merecem uma solução sensata baseada em evidência e não simplesmente mensagens que podem afastá-los de melhores opções do que fumar cigarros", refere o diretor-geral da Tabaqueira, Miguel Matos, citado no comunicado.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.