“A partir de agora, os técnicos de todas as ambulâncias de emergência médica do país podem pôr em prática o protocolo da dor torácica, um conjunto de procedimentos para os quais receberam formação e que incluem a realização de um eletrocardiograma (ECG) e a administração de fármacos, sob orientação médica”, revela o Jornal de Notícias (JN) na edição de hoje.

Segundo o jornal, “é um passo de gigante para reduzir o risco de sequelas e de morte por enfarte agudo do miocárdio”.

Prometido há vários anos, o protocolo de dor torácica dos técnicos de emergência pré-hospitalar (TEPH) entra em funcionamento na segunda-feira com monitores novos em 56 ambulâncias de emergência médica, o que significa um acréscimo de 64% dos meios com esta resposta mais diferenciada.

“Até aqui, só as viaturas médicas de emergência e reanimação e as ambulâncias de suporte imediato de vida estavam preparadas para dar a melhor resposta. E nem sempre estão disponíveis para acudir a todas as ocorrências”, escreve o jornal.

Um dos medicamentos protocolados é a aspirina, que ajuda a diluir o sangue e a desfazer os trombos nas artérias coronárias, adianta, acrescentando que, tanto a interpretação dos resultados do ECG, como a decisão de administrar fármacos, cabe exclusivamente ao médico que está no Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM a receber a informação em tempo real.

“É o maior ganho em saúde dos últimos anos”, assegura ao JN Ricardo Rocha, coordenador nacional TEPH do INEM, satisfeito com a conquista pela qual os técnicos lutam há anos.

Além de transmitirem informação ao CODU, os monitores de ECG também enviam dados ao hospital, através de uma plataforma informática.

“Antes de o doente chegar, os médicos já estão a ver o eletrocardiograma no computador e já sabem se tomou medicação”, explica, por seu turno ao jornal, Gabriel Campos, TEPH, que tem sido responsável pela formação dos técnicos.

Se a via digital por alguma razão não funcionar, os novos monitores permitem imprimir o ECG para entregar ao médico no hospital.

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em Portugal e o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) recebe, em média, 17 mil chamadas para dor torácica por ano.

Dados citado pelos jornal indicam que 35 mil portugueses aproximadamente morrem todos os anos em Portugal por doenças cardiovasculares, o que corresponde a um terço de toda a mortalidade da população. Daquele total, cerca de oito mil óbitos são por enfarte agudo do miocárdio.

Investimento de 600 mil euros em equipamento de ambulâncias vai trazer “ganho muito significativo”

O presidente do INEM afirmou hoje que o investimento de 600 mil euros num equipamento que vai permitir aos técnicos de emergência médica monitorizar os sinais vitais dos doentes vai representar um “ganho muito significativo” em termos de saúde.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) afirmou que esta era uma prioridade do instituto, “não apenas dotar as ambulâncias de emergência médica com estes equipamentos”, mas sobretudo poder avançar com a implementação do protocolo de dor torácica que efetivamente vai permitir ganhos em saúde.

Vai permitir também “uma melhoria significativa” das condições de trabalho dos técnicos de emergência pré-hospitalar (TEPH), uma vez que dispõem a partir de agora de um equipamento que “lhes vai facilitar, e muito, a sua missão, porque incorpora várias capacidades”.

“Além da capacidade de fazerem eletrocardiogramas (ECG), têm a possibilidade de, no mesmo aparelho, ter um monitor de sinais vitais”, que facilitará muito a monitorização dos doentes, além da desfibrilhação automática externa.

Mas, salientou, “o objetivo claro é sempre garantir que a assistência médica pré-hospitalar é feita nas melhores condições possíveis, sobretudo, na perspetiva das vítimas de acidente e doença súbita”, com um foco muito particular no enfarte agudo do miocárdio.

“É uma situação grave e que carece de uma identificação o mais precocemente possível para permitir o encaminhamento adequado destes doentes”, defendeu o presidente do INEM, lembrando que o enfarte agudo do miocárdio mata cerca de 8.000 portugueses por ano e que as doenças cardiovasculares são uma das principais causas de mortalidade em Portugal.

Por isso, poder fazer o mais rapidamente o diagnóstico e encaminhar o doente imediatamente para o local mais adequado para fazer o tratamento, é fundamental para reduzir a mortalidade, mas também a morbilidade.

Luís Meira estima que os técnicos façam entre 10 a 20 eletrocardiogramas por dia, com o apoio do equipamento que foi colocado em todas as ambulâncias de emergência médica.

“A maior parte depois não se confirmará que estamos perante um enfarte agudo do miocárdio, mas aqui também é importante em algumas circunstâncias podermos fazer o ECG para descartar essa possibilidade”, salientou.

Luís Meira explicou ainda que demorou “algum tempo” o INEM ter as condições para implementar este protocolo devido a um processo judicial que teve de ser concluído e que envolveu uma entrega de monitores em 2015 que não reuniam as condições para serem utilizados em contexto pré-hospitalar.

“O INEM em 2016 solicitou a intervenção do Infarmed que em 2018 ordenou a retirada dos monitores que tínhamos nessa altura ao serviço das ambulâncias de emergência médica”, contou.

Na sequência da ação judicial foi feito um acordo entre o INEM e a empresa que forneceu os monitores para que os monitores inicialmente entregues fossem substituídos por outros que cumprissem os requisitos.

“O problema é que a empresa, chegando ao fim do prazo concedido pelo tribunal para proceder a essa substituição, não cumpriu o acordo e só nesse momento é que o INEM esteve em condições de poder avançar para o processo de aquisição de monitores”, o que, disse, foi feito depois “em tempo recorde atendendo ao valor envolvido”.

(Artigo atualizado às 15:01)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.