Segundo o The Guardian, alguns observadores acreditam que esta possa ser a leitura mais quente já registada de forma confiável em todo o planeta. Em 1913 foi registada uma leitura no Vale da Morte de 56,7ºC e os investigadores têm vindo a descartar vários recordes ao longo dos anos, como a temperatura de 58ºC registada na Líbia, em setembro de 1922, ou os 55ºC  em Kebili, na Tunísia, em 1931.

Até agora, as dúvidas apontadas dizem respeito a erro humano, problemas com o tipo de termómetro utilizado e inconsistências com outras temperaturas na região. Christopher Burt, do serviço meteorológico privado dos Estados Unidos e que levou à investigação dos registos da Líbia, também contestou a legitimidade das leituras do Vale da Morte de 1913, dizendo que estas eram "essencialmente impossíveis de uma perspectiva meteorológica".

Agora, um comunicado divulgado pela Iowa State University explica que foi utilizado um sistema de observação automatizado para esta medição no Vale da Morte, sendo ainda necessário confirmar os dados — recorrendo a várias informações cruzadas para garantir o melhor resultado.

Nesta leitura preliminar, foram registados 54,4ºC, de acordo com a estação meteorológica do Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos, situada em Furnace Creek, perto da fronteira com Nevada. O pico da temperatura foi atingido às 15h41 de domingo, 16 de agosto.

Randy Cerveny, da Universidade do Arizona, refere que até agora tudo indica que os dados sejam confiáveis. "Tudo o que vi até agora indica que é uma observação legítima", frisou.

Bob Henson, um meteorologista americano, defende também os novos dados. "É bem possível que o pico do Vale da Morte tenha estabelecido um novo recorde global de calor. A natureza extrema do padrão climático circundante torna esta leitura plausível, portanto o caso merece uma análise sólida", explicou.

"Existem questões incómodas sobre a validade de relatórios ainda mais quentes do Vale da Morte em 1913 e também da Tunísia em 1931. O que podemos dizer, com grande confiança é que, se confirmado, esta é a temperatura mais alta observada na Terra em quase um século".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.