O pessoal dos refeitórios escolares e dos refeitórios concessionados em fábricas, hospitais e serviços do Estado, exceto da empresa Such, contesta também a redução do pagamento do trabalho suplementar e em dia feriado, o aumento dos ritmos de trabalho e da precariedade.

A Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT), que convocou a quinzena de luta, afirmou, em comunicado, que "esta greve irá afetar seriamente as refeições escolares, mas também a alimentação em algumas unidades hospitalares, refeitórios de Fábricas e de serviços do Estado nos seis Distritos da Região Centro".

Os trabalhadores das cantinas da região centro vão aproveitar o dia de greve para se manifestarem junto da sede da AHRESP em Coimbra.

A quinzena de luta inicia-se hoje com a greve nas cantinas e termina com uma manifestação nacional junto à Associação Patronal e ao Ministério da Economia a 04 de abril.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.