Em declaração distribuída hoje pelo gabinete do Presidente Beji Caid Essebsi adiantou-se que o primeiro-ministro e o presidente do parlamento tinham sido consultados sobre a extensão.

O prolongamento tem efeitos imediatos.

O estado de emergência foi declarado há cerca de 18 meses.

O porta-voz presidencial, Ridha Boughezzi, justificou o prolongamento devido “às exigências da luta contra o terrorismo”.

A Tunísia sofreu três importantes ataques em 2015: no Museu Bardo, onde faleceram 22 pessoas; a um hotel à beira praia, que resultou em 38 mortos, e no centro da capital, a um autocarro que transportavam guardas presidenciais, que causou 12 mortos.

Estes ataques foram reivindicados pelo grupo que se designa Estado Islâmico.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.