O comissário para as Migrações da UE, Dimitris Avramopoulos, pediu hoje o encerramento do campo de Vucjak, perto de Bihac, no noroeste da Bósnia, próximo da fronteira com a Croácia.

Dimitris Avramopoulos declarou que deve ser fornecida acomodação adequada para cerca de 8.000 migrantes “para evitar uma grande crise humanitária no próximo inverno”.

O comissário europeu diz que a UE concedeu à Bósnia mais de 36 milhões de euros em ajuda, mas as condições em Vucjak são tão más que “nenhum apoio financeiro da UE pode ou será implementado neste” campo.

Estima-se que 50.000 migrantes tenham atravessado a Bósnia desde o ano passado com destino a países mais ricos da UE.

Na semana passada, as autoridades bósnias garantiram estar já a trabalhar para o encerramento do campo e para a transferência das pessoas que ainda permanecem em Vucjak, sem avançar prazos concretos.

Há duas semanas, a Organização Internacional das Migrações (OIM) alertou que muitas destas pessoas poderão morrer de frio e de fome durante o inverno.

A ONU já classificou as condições do campo como “desumanas”.

O campo de Vucjak, erguido de forma provisória num antigo aterro de lixo perto de terrenos minados, não tem atualmente água corrente, nem eletricidade.

A UE, o Conselho da Europa e as Nações Unidas já pediram recentemente o encerramento do campo de Vucjak.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.