Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones Industrial Average perdeu 0,30%, para os 24.811,76 pontos, o Nasdaq recuou 0,02%, para as 7.424,43 unidades, e o S&P500 desvalorizou 0,20%, para os 2.727,76 pontos.

“Os investidores estão focados em dois dossiers, a saber, as negociações comerciais com a China e a coreia do Norte. Donald Trump acaba de recuar nos dois temas”, indicou Tom Cahill, da Ventura Wealth Management.

O Presidente norte-americano anulou hoje, de forma brutal, a cimeira prevista para menos de três semanas, em Singapura, com Kim Jong-un, criticando a “hostilidade” do regime de Pyongyang.

E ordenou hoje ao seu ministro do Comércio, Wilbur Ross, que lançasse um inquérito sobre as importações de veículos nos EUA, que pode conduzir à imposição de taxas alfandegárias suplementares.

“Tudo isto pesa”, afirmou Nate Thooft, da Manulife AM. Mas, relativizando que, no fundo, “a resiliência do mercado não é má”.

“Agora, os investidores já sabem como se comporta Donald Trump. Tudo isto faz parte da sua estratégia de negociação”, acrescentou, para explicar o recuo, contido, dos índices, depois de uma descida mais acentuada no início da sessão.

A divulgação da taxa da última reunião de política monetária da Reserva Federal, em que deu a entender a falta de ligação entre subidas das taxas de juro e a inflação, aliviou a tensão no mercado obrigacionista.

Assim, a taxa de rendimento das obrigações do Tesouro norte-americano a 10 anos baixou, dos 2,994% de quarta-feira, para os 2,974%, enquanto a dos 30 anos também desceu, de 3,152% para 3,123%.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.