No palco onde tudo começou, há 13 anos, a rivalidade entre o suíço e o espanhol conheceu o 37.º episódio, com Roger Federer a impor-se por 6-3 e 6-4, em uma hora e 35 minutos, para conquistar o seu terceiro título em Miami, o primeiro desde 2006, o 26.º num torneio Masters 1000 e o 91.º da carreira.

“Estou feliz por estarmos aqui juntos. Foi aqui que a nossa rivalidade começou, quando tu eras um miúdo. Entretanto, tornaste-te um homem forte. Tivemos grandes batalhas ao longo dos anos. Nessa primeira vez [em 2005], quando te bati na final com um pouco de sorte, disse-te que ias ganhar este torneio e ainda acredito que o vás fazer”, disse o sexto tenista mundial.

Aos 35 anos, o suíço continua a viver uma segunda juventude no ténis, tendo ‘regressado’ hoje a 2006, último ano em que venceu, de seguida, o Open da Austrália, Indian Wells e Miami.

“Para mim, o sonho continua”, assumiu ainda no ‘court’.

Além de ter conquistado os três títulos mais importantes da temporada e de ter batido o seu eterno rival pela quarta vez consecutiva, algo inédito na sua rivalidade, Federer, que jogou a sua 23.ª final com o espanhol, reduziu a diferença no confronto direto: tem agora 14 triunfos face aos 23 do sétimo jogador do ‘ranking’.

“Estou muito feliz por ti. Esta semana foi muito boa para mim, pena ter perdido pela terceira vez esta temporada com o Roger”, brincou o maiorquino, que foi derrotado pelo suíço na final do Open da Austrália e na quarta ronda de Indian Wells.

Ainda não foi desta que Nadal conseguiu quebrar o ‘enguiço’ em Miami, onda já disputou cinco finais, sem qualquer vitória.

“De três em três anos, estou na final, mas infelizmente levo sempre para casa o troféu mais pequeno. Espero que não tenha de esperar mais três anos para voltar a estar nesta posição”, disse o espanhol, que fraquejou nos momentos decisivos do encontro, permitindo o ‘break’ no oitavo jogo do primeiro ‘set’ e no nono do segundo.

O tenista suíço Roger Federer assumiu depois que não deve voltar aos ‘courts’ antes de Roland Garros, o segundo ‘Grand Slam’ da temporada.

“Já não tenho 24 anos, as coisas mudaram muito e é provável que não jogue qualquer torneio em terra batida antes de Roland Garros”, disse à cadeia norte-americana ESPN, após derrotar Rafael Nadal na final de Miami, por 6-3 e 6-4.

Aos 35 anos, Federer lembrou que precisa de repousar e que o seu corpo precisa de ser preservado.

“Preciso de tempo para me preparar, será preciso esperar por Roland Garros para me reverem. Quero conservar o meu bom estado de saúde e ter prazer no ‘court’. Quando estou bem de saúde e me sinto bem, produzo o ténis das últimas semanas”, assumiu o suíço, que na segunda-feira vai subir ao quarto lugar do ‘ranking’ mundial.

O vencedor dos três títulos mais importantes da temporada (Open da Austrália e Masters 1000 de Indian Wells e Miami) acredita que esta pausa lhe vai permitir concentrar-se no segundo ‘Grand Slam’ do ano, mas também na temporada de relva, que desemboca em Wimbledon, e na de piso duro, que culmina no Open dos Estados Unidos.

Federer, que é o recordista de títulos ‘major’, tem 18 ‘Grand Slam’ no currículo, incluindo um na ‘Catedral da terra batida’, em 2009.

A edição de 2017 de Roland Garros decorre entre 28 de maio e 11 de junho, em Paris.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.