Em entrevista à Sporting TV, o líder ‘leonino' considerou que as palavras do ex-dirigente à CMTV, nas quais este expressou o seu desagrado pela forma como saiu do Sporting, vieram na "pior altura possível", acusando-o ainda de possuir uma "necessidade de protagonismo" e de não ter "senso nenhum" no seu discurso.

"Não é público por exemplo que o Octávio foi a terceira escolha. A primeira escolha não aceitou, a segunda recusei por ser o ‘pai da cartilha' e, depois, surgiu o Octávio. Fiquei espantado com alguém que se diz tão frontal enviar uma carta em vez de pedir uma reunião. Não sou homem de e-mails, isso não é no Campo Grande, é na Segunda Circular", afirmou.

Sem deixar de agradecer o trabalho desenvolvido pelo antigo diretor no clube, Bruno de Carvalho lamentou, porém, esta recente entrevista. Ainda assim, o presidente dos ‘leões' assegurou que o Sporting vai continuar a defender o ex-dirigente nos processos ainda em curso nas instâncias disciplinares.

A entrevista ao canal de televisão do clube assinalou também o fim do castigo de 113 dias que foi aplicado a Bruno de Carvalho, tendo o presidente do Sporting realçado que "o pior castigo de sempre desde o caso Apito Dourado" serviu para lhe confirmar que "há ainda muito para mudar" no futebol português.

"Não me deixo condicionar pelas estruturas do futebol, deixo-me condicionar pela minha família e pela lei. O Vítor Pereira (ex-presidente do Conselho de Arbitragem) não deixará saudades nenhumas ao futebol português. Voltei a dizê-lo. Se isto dá direito ao pior castigo de sempre, estamos a atravessar um período de loucura", frisou.

Paralelamente, Bruno de Carvalho reiterou a sua indignação por não haver uma decisão final sobre o caso do túnel de Alvalade, no qual protagonizou na última época um desentendimento com o seu homólogo do Arouca, Carlos Pinho, prometendo uma reação nos tribunais.

"Há nove meses que tenho o estigma de ter cuspido em alguém e isso, só por si, já é um castigo. Dizem que algo saiu da minha boca na sequência de um encontrão do presidente do Arouca. Se sai de um encontrão, é involuntário. Isto vai ter consequências, inclusive com pedidos de indemnização que eu vou fazer a toda a gente que me deixou com este estigma", avançou.

Questionado se os processos em que é visado demonstram um suposto poder do Benfica sobre as estruturas do futebol português, o líder do Sporting comentou a perceção de "um poder avassalador" do rival, mas garantiu que esta temporada haverá novidades em vários casos a envolver o emblema da Luz.

"Foi o Gilberto Madaíl, um ex-presidente da FPF, a dizer que todas estas revelações são mais graves do que o Apito Dourado. Não vou deixar que as pessoas se desfoquem. Vamos ter uma época desportivamente interessante, mas também com o vídeo-árbitro, o caso dos mails, dos vouchers e dos sms. Tudo isso vai mexer", referiu.

Já sobre a nova época, Bruno de Carvalho alertou para a necessidade de os leões "fazerem muito mais" do que na última e apontou os objetivos para a "conquista de títulos" pela equipa orientada pelo técnico Jorge Jesus, admitindo ainda que o "plantel está 99 por cento fechado", apesar de poderem registar-se saídas perante "propostas irrecusáveis".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.