O primeiro-ministro australiano disse hoje que ainda não existe uma decisão sobre o caso.

O sérvio, que não foi vacinado contra a covid-19, aguarda uma decisão do ministro da Imigração, que tem poder discricionário para o deportar.

Uma decisão judicial de segunda-feira permite ao titular permanecer no país apesar das irregularidades no processo do visto, admitidas pelo número um mundial do ténis.

O sorteio do Open da Austrália tinha sido adiado devido à incerteza sobre a participação de Djokovic.

O tenista, envolvido em polémica por assumir posições antivacinação contra o SARS-CoV-2, admitiu a prestação de informação falsa no preenchimento da declaração de entrada na Austrália.

O sérvio, que em dezembro testou positivo à covid-19, admitiu igualmente ter dado uma entrevista presencial em Belgrado, ignorando o período obrigatório de 14 dias de quarentena para os infetados.

A primeira-ministra sérvia, Ana Brnabic, avisou na quarta-feira que se houve desrespeito do tenista pelas normas de combate à pandemia de covid-19, isso constitui uma “violação grave” das leis daquele país.

Djokovic, após uma primeira decisão judicial favorável à sua libertação do centro de confinamento em Melbourne, já está a treinar, mas ainda pode vir a enfrentar nova decisão de cancelamento do visto e eventual deportação.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.