Numa mensagem publicada no Twitter oficial, a representação diplomática dos Emirados Árabes Unidos informou que Issa Ahmad, de 26 anos, foi detido por ter prestado falsas declarações e pedido indevidamente auxílio à polícia.

O adepto britânico de futebol denunciou à polícia local ter sido agredido por apoiantes da seleção dos Emirados Árabes Unidos, mas, de acordo com a mesma fonte, os exames médicos revelaram que os ferimentos foram autoinfligidos.

A embaixada do país do Golfo Pérsico adiantou que Ahmad, que vive em Wolverhampton, na Inglaterra, “reconheceu ter cometido as infrações” de que é acusado e que o processo que envolve o cidadão britânico “será tratado nos tribunais dos Emirados”.

Na terça-feira, a organização não governamental (ONG) Detained in Dubai, que tem especialistas em direito criminal em Londres e nos Estados Unidos e se dedica a ajudar pessoas com problemas com a justiça no Médio Oriente, denunciou que Ahmad tinha sido detido no Dubai por usar uma camisola da seleção nacional do Qatar, recém-sagrada campeã da Taça Asiática.

Ahmad estava de férias no Dubai e foi assistir a um jogo da Taça Asiática entre o Qatar e o Iraque (que terminou 1-0 para os cataris), disputado em 22 de janeiro, usando uma camisola da seleção que viria a ganhar o torneio, sem saber que nos Emirados Árabes Unidos, dos quais o Dubai faz parte, tal ação é considerada uma ofensa punida com um pesada multa e um período prolongado de prisão.

De acordo com a Detained in Dubai, Ahmad pode enfrentar uma pena de prisão de 15 anos e uma multa superior a 120 mil euros, porque, depois de ter sido detido inicialmente devido vestir a camisola de futebol, Ahmad está agora também a ser acusado de fazer falsas alegações sobre as forças de segurança do Dubai, uma vez que o homem diz que foi agredido na prisão.

As sanções nos Emirados Árabes Unidos contra quem mostrar ser apoiante do Qatar estão relacionadas com o corte de relações diplomáticas e económicas entre os dois países em maio de 2017. Na altura, os Emirados - bem como a Arábia Saudita, o Bahrein e o Egito - acusaram Doha (a capital do Qatar) de ameaçar a segurança e estabilidade da região através do financiamento e acolhimento de grupos terroristas.

Desde então, este bloco de países colocou em vigor um bloqueio terrestre, aéreo e marítimo contra o país vizinho, que vai organizar o Campeonato do Mundo de futebol em 2022.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.