“O Dr. Luque não tem do que se envergonhar. Ele apenas disse que cuidava da saúde de Maradona e que sempre que era chamado para alguma coisa o ajudava”, disse o seu advogado, Julio Rivas, no final da audiência judicial, em San Isidro.

Leopoldo Luque, de 39 anos, considerado o principal elemento da equipa médica que assistiu Maradona pouco antes da morte, foi ouvido durante quatro horas pelo procurador de San Isidro, que abriu um inquérito por “homicídio involuntário com circunstâncias agravantes”.

O advogado Julio Rivas disse ainda que Leopoldo Luque não era o responsável pelo internamento domiciliário de Diego Maradona e que, contrariando o relatório de um especialista, não havia evidências médicas de que ele sofria de problemas cardíacos.

Maradona, que sofria de problemas renais, hepáticos e cardíacos, morreu em 25 de novembro de 2020, aos 60 anos, de ataque cardíaco, na sua residência, em Tigre, a norte de Buenos Aires, poucas semanas depois de se ter submetido a uma cirurgia ao cérebro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.