Em comunicado, a Premier League adiantou que, depois de feita a denúncia, "cada caso será avaliado, investigado, transmitido à empresa responsável pela rede social e serão tomadas as medidas legais que se justificarem".

O presidente executivo do organismo, Richard Masters, referiu que o combate à discriminação "é uma prioridade", salientando que "há vários futebolistas e familiares a receber insultos horríveis" e que "nenhuma pessoa deve passar por situações destas".

"Este sistema foi desenvolvido para possibilitar uma rápida resposta e para apoiar jogadores e treinadores que tenham sido vítimas de discriminação nas redes sociais, seja direcionada a eles próprios ou a familiares", afirmou Richard Masters, vincando que "a Premier League não irá tolerar comportamentos discriminatórios".

No mês passado, o antigo internacional inglês Ian Wright, que se notabilizou ao serviço do Arsenal e que atualmente é comentador de futebol na BBC, foi alvo de insultos racistas nas redes sociais, depois de ter apoiado publicamente o movimento antirracista ‘Black Lives Matter'.

Wright, de 56 anos, divulgou as mensagens que lhe foram enviadas por um adolescente irlandês, nas quais o jovem dizia que "se apanhar o coronavírus, vou tossir na tua cara e será a tua sentença de morte".

Paul Pogba e Marcus Rashford, do Manchester United, e Tammy Abraham, do Chelsea, também foram alvo de insultos racistas no arranque da temporada, sendo que, na altura, a rede social Twitter reconheceu que poderia "fazer mais pela proteção dos seus utilizadores" e comprometeu-se a reunir com representantes dos ‘red devils'.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.