Um regresso à casa de partida. Os sete barcos que participaram na 13ª edição da Volvo Ocean Race (VOR) e completaram uma volta ao mundo durante 9 meses (partida de Alicante, Espanha a 22 de outubro de 2017, e chegada a Haia, Holanda, a 24 de junho de 2018) regressaram ao Boatyard (estaleiro) de Lisboa, na Doca de Pedrouços.

É um retorno, quase dois anos depois, às instalações da antiga lota da Docapesca, espaço então transformado em linha de montagem no qual os VOR 65, veleiros de 20 metros, foram “descascados”, desmontados e sujeitos a um processo de recuperação, reconstrução e afinamento antes de se aventurarem na epopeia náutica.

“É um loop de 2 anos, dos barcos e dos contentores. Um regresso ao local onde tudo começou”, recorda Neil Cox, responsável do estaleiro de Lisboa ao serviço da VOR em declarações ao SAPO24. Elogia as instalações “fantásticas” do Porto de Lisboa ao mesmo tempo que recua à chegada dos barcos à Doca de Pedrouços, após terem completado a edição 2014-2015. “Foram 9 meses para colocá-los a competir na edição que agora terminou”, relembra o chefe máximo do estaleiro.

Desta vez, no entanto, não se trata de pôr os sete barcos a voar na água após o “refit” (aperfeiçoamento). No regresso “ao ninho”, neste antigo espaço de venda de peixe que virou um autêntico estaleiro naval a ordem foi agora para “desmontar” as embarcações e tudo o que as compõem, velas, cabos e mastros e “arrumar” todo o material em contentores, descreve o antigo velejador australiano que depois de ter dar voltas ao mundo de barco, agora, gira pelo globo por terra.



“A nossa prioridade, o nosso desejo, é entregar tudo de forma perfeita para quem abrir os contentores perceba que foi feito um trabalho profissional” garante. “Queremos facilitar para que se consiga colocar os barcos a velejar em dois ou três dias”, veleiros esses que “estão em ótimo estado”, assegura. “Podia colocar velas e seguir até Cidade do Cabo”, fazendo a etapa que ligou a capital portuguesa à cidade sul-africana, assevera.

“O previsto é deixar todo o material arrumado e tudo catalogado, até ao dia 15 de agosto, numa sequência que seja fácil aceder, por exemplo, ao contentor 45, conforme acordado com o Porto de Lisboa”, sintetiza Rodrigo Moreira Rato, responsável de comunicação da Volvo Ocean Race. “Os barcos vão ser “envelopados” e fechados. Ficam em 136 contentores da VOR”, enumera. Ficará tudo numa “zona entre a fundação Champalimaud e a Doca Pesca de Pedrouços”, descreve.

Uma regata com impacto nas dormidas e na empregabilidade

“Após estes sete anos deste primeiro ciclo da Volvo Ocean Race (passagem por Lisboa), por vezes com falhas da organização, mas sempre que as coisas foram muito claras e explicadas, o Porto de Lisboa sempre funcionou como uma solução e não como uma barreira ou problema”, frisa. “As organizações internacionais, por vezes, esquecem-se das particularidades de cada país...”, atira Moreira Rato.

Sobre as negociações e relações com o Porto de Lisboa, “um espaço nobre da cidade”, estas foram “tensas e fáceis”, recorda. “A Administração do Porto de Lisboa (APL) defende, e bem, os seus interesses e aquilo para que está mandatada e nós (VOR) procuramos encontrar soluções que se adaptassem às nossas necessidades”, acrescenta Rodrigo Moreira Rato.

Agora, quando estão a poucos dias de garantir o estacionamento das embarcações e a entrega de todo o material que ficará à guarda do Porto de Lisboa, Neil Cox recorda, com saudade, os “12 meses” em permanência em Lisboa juntamente com “28 pessoas a dormirem”, as “famílias” que se “mudaram” e “os miúdos que andaram nas escolas”, numa clara “integração na comunidade e na cidade”.

Rodrigo Moreira Rato acrescenta outros dados que se retiram desta ligação com a cidade. “O Boatyard de Lisboa representou, sem o evento, metade das dormidas do Web Summit — só que espalhado pelo tempo”. Mas não só. Arrepiando caminho para as questões de empregabilidade, deixa claro que “agrada ver pessoas que estiveram aqui no estaleiro, alguns que vieram como aprendizes, a serem contratadas por empresas portuguesas líderes que também colaboraram com o estaleiro”.

Em relação à próxima edição, prevista para 2021, nas “comemorações do ano de Magalhães”, Lisboa “começou a negociar (que a rota passe pela capital portuguesa) desde que os barcos partiram” de Pedrouços. “Há essa vontade. Da prova e dos players portugueses”, sublinha. “Lisboa, que será Capital Europeia do Desporto nesse ano, precisa de grandes eventos. Seja da Volvo Ocean Race (ou como se vier a chamar), seja da Web Summit”, atira. “Vamos ver o que acontece. Esta regata oceânica quer cá ficar. Tem impacto económico e é um casamento feliz”, resume Moreira Rato.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.