Segundo uma nota do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, hoje divulgada, o MP entendeu que as arguidas, de nacionalidade estrangeira, “integraram um grupo organizado” que se dedicava a furtar carteiras a turistas para posterior utilização dos cartões de créditos em diversos estabelecimentos comerciais da cidade, nomeadamente para a compra vestuário e acessórios e produtos de joalharia de elevado valor.

De acordo com a acusação, as arguidas “agiram de forma concertada e de acordo com um plano previamente delineado, elegendo cuidadosamente as vítimas, quase sempre turistas que aparentavam ser titulares de elevadas quantias monetárias”.

A líder do grupo encontra-se em prisão preventiva desde 07 de dezembro, justificada com o perigo de fuga e de continuação da atividade criminosa.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.