Paul Romer, economista-chefe do Banco Mundial, explicou ao Wall Street Journal que foram feitas alterações nos dados referentes ao Chile no relatório "Doing Business" durante os últimos quatro anos. Trata-se de um ranking que avalia diferentes países no aspecto da "competitividade no ambiente de negócios".

A metodologia utilizada para a avaliação teria sido constantemente modificada, mostrando uma menor competitividade no Chile durante o governo da socialista Michelle Bachelet (2014-2018).

Romer pediu desculpas e anunciou que os números serão corrigidos. "Estas revisões podem ser particularmente relevantes para o Chile, cuja posição no ranking tem sido especialmente volátil nos últimos anos e foi potencialmente afetada por motivos políticos da equipa do Banco Mundial", diz Romer na reportagem do jornal americano.

A notícia causou polémica no Chile, onde foi amplamente divulgada pelos media locais.

"Muito preocupante o ocorrido com o ranking de competitividade do Banco Mundial. Além do impacto negativo na posição do Chile, a alteração abala a credibilidade de uma instituição que deve contar com a confiança da comunidade internacional", disse a presidente Bachelet na sua conta oficial do Twitter.

De acordo com Romer, durante o governo de Bachelet, a competitividade caiu do 33º lugar em 2015 para 120º um ano depois, pelas mudanças constantes na forma de medir o índice, e não pelas medidas económicas adotadas pelo governo chileno.

Segundo o Wall Street Journal, o ex-diretor do grupo responsável pelo relatório é o chileno Augusto López-Claros, ex-professor da Universidad de Chile, atualmente ligado à Universidade de Georgetown.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.