Segundo o relatório de atualização das perspetivas económicas, hoje publicado, a organização disse que à medida que os preços da energia e dos alimentos abrandam, assim como a procura de mão-de-obra, a inflação descerá de 5,5% este ano (5,7% na última atualização) para 3,3% em 2024 e 2,4% em 2025, perto da meta de 2% que o Banco Central Europeu quer atingir.
As previsões do Fundo Monetário Internacional apontam, por sua vez, uma redução da taxa de inflação para 5,3% em 2023 e para 3,4% em 2024.

Já o Banco de Portugal (BdP) reviu em ligeira alta a inflação para este ano e o próximo para 5,4% e 3,6%, sobretudo devido aos preços da energia, mas espera que a taxa continue a reduzir-se.

“A eliminação progressiva dos apoios à energia e à inflação e o elevado crescimento nominal do PIB [Produto Interno Bruto] contribuirão para manter os excedentes orçamentais e reduzir a dívida pública para cerca de 98% do PIB em 2025 (definição de Maastricht)”, destacou a OCDE, no relatório.

“O crescimento do emprego ou dos salários superior ao previsto apoiaria o consumo, mas também alimentaria a inflação”, alertou, sendo que “em contrapartida, as despesas do PRR [Plano de Recuperação e Resiliência] poderão ser implementadas mais lentamente do que o projetado, o que implicaria um crescimento e uma inflação mais baixos”, segundo a organização.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.