Segundo fonte do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica, Cimentos e Construção, afeto à CGTP, o primeiro turno, que arrancava às 00:00 e que é responsável pelo funcionamento dos fornos, teve uma adesão de 100%.

Em declarações à agência Lusa, Pedro Jorge, do sindicato, explicou que a greve está “a correr como os trabalhadores tinham decidido”, com uma adesão de 100% tanto nos fornos como nos moinhos e na expedição do material em stock.

Pedro Jorge, que pelas 08:40 se mantinha à entrada da Secil do Outão, junto do piquete de greve, explicou ainda que a adesão de 100% ocorre em todos os turnos que deveriam ter entrado até agora – 00:00 e 08:00 – e deverá manter-se no das 16:00.

No ano passado, segundo o sindicato, cerca de 80 trabalhadores fizeram um abaixo-assinado exigindo à empresa um aumento salarial de 40 euros por mês, além do cumprimento de outros direitos laborais.

Contudo, a empresa não respondeu e não aceita negociar o caderno reivindicativo, nomeadamente o acordo de empresa, que os trabalhadores dizem não estar a ser cumprido.

A greve prolonga-se até dia 01 de junho, inclusive.

A Secil é detida pela Semapa, ‘holding’ que tem como acionista maioritária a família Queiroz Pereira.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.